Se o estudo sobre o custo por aluno, encomendado pelo MEC, só foi entregue esta semana, segundo declarações do excelentíssimo senhor secretário de Estado, como é possível que um comentador neste blogue tivesse anunciado as conclusões por aqui há quase três meses (foi a 20 de Agosto…)?

Terão sido as conclusões – de acordo com as regras do método científico pós-moderno – elaboradas com avanço?

Não esqueçamos ainda que enquanto o relatório do Tribunal de Contas foi feito a pedido do Parlamento, o que o MEC encomendou resultou de uma exigência dos interesses económicos instalados no sector.

Estou ainda muito curioso com a forma como cada um dos elementos do grupo de trabalho colaborouna sua elaboração, até porque se anunciou que desempenhariam “a sua missão a título gratuito, [tendo apenas] direito ao reembolso das despesas com transportes e ajudas de custo necessárias ao desempenho da mesma, cujos encargos serão suportados por este Gabinete”. Estando, portanto, fora daquele grupo que beneficiou dos 16 milhões de euros para fazer estudos e pareceres.