Mas deve ter deixado feliz quem partiu, reparttiu e sacou para si o pão que lhe falta, borrando-se para quem fica à míngua.

Não se aplicam aqui os 30 dinheiros, porque não há qualquer traição, apenas gente a tratar da sua vidinha graças a encostanço. Basta ler a justificação do ministro.

Decidiu recompensar os ajudantes, enterrando por completo as escolas secundárias. A vingança dos ramirílios continua.

Politécnicos vão passar a integrar ensino profissional

(…)

Já este ano lectivo, os cursos de ensino profissional, actualmente, leccionados nas escolas secundárias, passarão a ser ministrados também em institutos superiores politécnicos. A notícia foi avançada pelo ministro Nuno Crato, durante a discussão do orçamento da Educação para 2013 na especialidade.

Os politécnicos, com o número de inscrições registados, passaram a ter uma série de áreas críticas, revelou o governante, que apontou uma saída para o problema instalado: “para ultrapassarem estas dificuldades, e por que são extremamente necessários ao País, os politécnicos precisam de coordenar as suas ofertas”, nomeadamente ao “nível do ensino profissional secundário”.

Nuno Crato concluiu dizendo que os politécnicos “têm professores, instalações e conhecimentos que muitas escolas secundárias não têm”.