Proponho que o ensino profissional vá para as universidades, mas só no âmbito dos mestrados e doutoramentos.

Mas não numa lusófona qualquer! Nem numa independente! Em eduquesas e dependentes é que coiso.

Isto, uma, crónica, é.