É um enorme pontapé na cabeça de alguns sobredotados. Clicar na imagem para aceder ao relatório que terá justificado a necessidade de encomendar, com dinheiros públicos, a um grupo de trabalho privado, um contra-estudo que se espera, agora, venha a surgir para equilibrar as evidências.

Eu bem tinha avisado as criaturas emílias que até Novembro muita coisa se saberia. E não seria agradável para os lobbys que se instalaram na órbita do MEC, falseando a realidade para defender interesses que lesam o tal interesse nacional que se evoca só em alguns casos.

174. O custo médio por aluno nos estabelecimentos de educação e ensino do MEC ascende a 4.415,45€, sendo o custo médio relativo ao 1.º CEB de 2.771,97€ e o correspondente aos 2.º e 3.º CEB e ensino secundário de 4.921,44€.
175. De mencionar que o custo médio apurado, referente ao ano escolar de 2009/2010, não deve ser considerado para anos subsequentes, atendendo ao contexto de contenção da despesa pública que se verifica nos últimos anos e que terá impacto em apuramentos análogos, nomeadamente em resultado de:
a) Reduções salarias ocorridas em 2011;
b) Aplicação de um imposto extraordinário aos subsídios de Natal de 2011;
c) Suspensão dos subsídios de férias e de Natal em 2012;
d) Evolução do número de aposentações;
e) Reorganização da rede escolar determinada em junho de 2010;
f) Novas regras de organização curricular dos ensinos básicos e secundário;
g) Diminuição das situações e das horas de redução da componente letiva;
h) Aumento do número de alunos por turma;
i) Alteração à constituição dos agrupamentos (incluindo as escolas secundárias).