A relação entre os encargos mais altos e mais baixos nos EEPC.

Como se explica tal disparidade, muito, mas mesmo muito acima da diferença entre escolas públicas e privadas com contrato de associação?

De acordo com certas lógicas ramiras e emílias de racionalidade económica da gestão, a partir de que valor se devem anular os contratos de associação? Sempre que sejam mais altos dos que os praticados nos estabelecimentos públicos ou quando superarem a média das escolas com contrato de associação?

Uma pista… há 44 estabelecimentos que gastam, em média, mais de 4600 euros e 49 que gastam mais.

Se estabelecermos nos 5000 euros por aluno (acima da média do ensino público com tudo incluído) ainda há 25 dos 93 EEPC (cerca de 27%) do total.

Vamos fazer cortes cegos?

Não acho bem, mas… a lógica do corte a eito não é minha.