Mas não é (quase) tudo a título gracioso?

Seria possível sabermos em que anda o MEC a gastar quase 6 milhões de contos quando grande parte da produção legislativa vem toda gralhada, a precisar de ser rectificada ou se revela, apenas, inaplicável?

Sempre é verdade que é no MEC que encontraram abrigo muitos borginhos e relvettes à conta de estudos independentes que só espero não sejam duplicados de outras encomendas conseguidas algures?