Trabalhadores do sexo querem pagar impostos para terem acesso a reformas