Sexta-feira, 21 de Setembro, 2012


The Stranglers, Something Better Change

Nos últimos dias acumularam-se as informações sobre os cortes que andam a ser exigidos aos CRI (Centros de Recursos para a Inclusão), ao nível dos 50% em alguns apoios.

Uma pessoa informada desabafou assim por mail:

Os alunos com apoios têm duas hipóteses: ou se aceita os termos que vigoravam no anterior ano lectivo e terão os tempos adequados para a sua problemática, ou se mantém o actual quadro de horas/alunos aprovado pela DRE e terão que ser “expurgados” muitos alunos dos apoios, se quisermos manter o nível exigido pelas NEE de cada um.

Mas o problema é mais complexo, porque alguns CRIs já aceitaram trabalhar no nível da indigência, com recibos verdes, 46 horas de trabalho e uma série de práticas obscenas que afrontam a ética profissional de alguns que ainda resistem.

Ora isto é vergonhoso, embora enquadrável numa adaptação ao território nacional das teorias dos teorizadores da facção radical dos Tea Party do Partido Republicano americano.

Ao mesmo tempo, depois de turmas constituídas e do arranque do ano lectivo, parece que vão surgir indicações para travar o funcionamento de cursos EFA. O mail da DREC que divulguei isso é claro. E parece ser tudo tão mais verdadeiro, quanto o revelam as ameaças que já surgiram na caixa de comentários contra mim e em defesa da opacidade de funcionamento das DRE e MEC.

O medo parece ser a estratégia adoptada para silenciar quem discorda.

Há que resistir. Em especial quando a ameaça da difamação pessoal e profissional é a reacção de alguns. Com a anuência táctica de outros.

A alusão, a insinuação, a tentativa de manipulação da opinião pública voltou, pujante.

Os actores profissionais detestam que os amadores os embaracem.

A forma de cobrir a manifestação junto a Belém pelos 3 canais de televisão.

Um governo cuja maioria de suporte precisa de comissões de coordenação.

Uma oposição em que o maior partido afirma querer que o governo cumpra o mandato e em que as alternativas andam divididas entre uma busca de pontes e muletas e o quanto pior, melhor.

Um presidente que vê alguns dos seus colaboradores mais próximos andarem com problemas com a justiça e que assinou a generalidade das decisões que agora afirma terem levado o país à ruína.

Acordai

– Zézinho, deixa de cuspir pela janela.

– Não estou a cuspir!!!

– Então estás a fazer o quê?

– A meter estes bocados de borracha na boca e a atirá-los pela janela!

Acho que só isso, ou algo mais estranho, pode justificar este estapafúrdio post do João Cardoso no Aventar. O que lá está é objectivamente falso e pode ser demonstrado com trocas de mails que remontam a 2010, quando um encontro de bloggers chegou a estar pensado para se realizar aqui pelas minhas bandas, com local quase marcado e tudo, em eventual articulação com uma instituição do ensino superior.

O João Cardoso impregnou pelos ouvidos e é pena que quem o tenha impregnado, mesmo depois de avisada, não tenha ainda aparecido a colocar a verdade nos factos. Porque a ideia dessa pessoa não era original e, em boa verdade, tratava-se de um encontro assumidamente fechado e não um debate aberto.

Por outro lado, não é por demais notar que o JC admite que a ideia estava em desenvolvimento por outras pessoas, antes de ele ter sido contactado. E que a ideia dele era muito diferente da que vai ser colocada em prática dia 6 de Outubro nas Caldas da Rainha.

O curioso é que, não sendo dele a ideia inicial, ele considera ter sido gamado. E que sendo a ideia dele diferente da nossa, insista na ideia do gamanço.

O curioso é que ele diga que eu terei levantado reticências à sua participação, quando em nenhum momento isso se passou, apenas tendo eu lamentado que a ideia tenha sido transmitida, ainda em embrião, a alguém das cúpulas do SPRC. É só recuar um mês e consultar os mails de 19-20-21 de Agosto. Houve outras conversas, do início de Julho, bem mais curiosas, mas que nem vale a pena evocar aqui mais.

As pessoas andam mesmo desorientadas, incapazes de elaborarem um discurso coerente e de se informarem minimamente. Se o João Cardoso e a Moriae querem fazer um encontro de bloggers, à maneira deles, com amor e carinho, façam-no. Quem os impede?

Anexo (resumido… o resto só se o super-espião tiver mandado o SIS ou SIED gravar os nossos telefonemas ou filmar o encontro com câmaras térmicas):

No dia 18 de Fevereiro de 2011 11:34, Paulo Guinote <guinote@gmail.com> escreveu:
*********************,Tens interesse em promover um debate sobre Educação na ************* com gente ligada mesmo às escolas de vários pontos do país (bloggers, movimentos) com eventuais convidados especiais (alguns sindicalistas, um ou outro político que consiga debater isto com calma)?Abraço

Paulo G.

No dia 18 de Fevereiro de 2011 17:36,************** <*************@gmail.com> escreveu:

(…),

parece-me interessante. seria necessário acertarmos mais pormenores (datas, envolvidos, etc)… queres vir cá almoçar um destes dias?

Exmo.(a) Sr.(a) Diretor(a)/ Presidente de CAP,

Convida-se V.ª Ex.ªpara uma reunião a realizar nesta Direção Regional de Educação, no dia 25 de setembro, pelas 16.00 horas, na sala do 6.ºpiso,a fim de transmitir orientações relativas ao funcionamento dos cursos EFA.

Aproveito para informar que os cursos EFA previstos para abrir no presente ano letivo não deverão iniciar e os cursos EFA que, eventualmente, possam já ter iniciado, deverão ser suspensos, até novas orientações.

Com os melhores cumprimentos,

Cristina Oliveira

Diretora Regional de Educação do Centro

O Projeto STRESSLESS – Promovendo a Resiliência dos Educadores ao Stress (www.spi.pt/stressless), financiado pela Comissão Europeia ao abrigo do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida, tem como principal objetivo promover a resiliência e as competências de gestão de riscos psicossociais dos educadores através do desenvolvimento e validação de um Guia Prático de Intervenção para os educadores e para as instituições educativas.

Esta validação foi conseguida através do envolvimento direto dos beneficiários finais do Guia (professores, formadores e outros agentes educativos, incluindo gestores) num conjunto de atividades, incluindo a participação num curso reconhecido para efeitos de formação contínua, ministrado por um psicólogo credenciado.

Na qualidade de coordenadora desta iniciativa, que reúne 9 Países em torno de uma problemática que urge combater no contexto escolar, a Sociedade Portuguesa de Inovaçãotem o prazer de divulgar os resultados do Projeto, pelo que disponibiliza, em anexo, a versão digital do Guia Prático de Intervenção.

Encontrando-nos inteiramente à disposição para disponibilizar outros recursos e detalhes sobre o Projeto, convidamo-lo a visitar página no Facebook (www.facebook.com/stresslessproject).

Aproveitamos a oportunidade para agradecer a disseminação desta iniciativa junto dos professores, formadores e outros agentes educativos.

Com os melhores cumprimentos,

Sara Brandão

Pela Equipa da SPI

Alguém lhes fiscaliza os lucros?

Marcelo Rebelo de Sousa vs Manuela Ferreira Leite

Esperei por ouvir Marcelo Rebelo de Sousa que muito admiro e considero, para escrever estas linhas. Quem sabe ter um fio de conduta linear, consegue bem explicar e melhor comunicar, e até é provável que obtenha num período de grave crise neste pobre nosso País, um share máximo de audiência. Foi o que ontem aconteceu com Marcelo Rebelo de Sousa (2,2 milhões num total global de 4,5 milhões, considerando canal aberto, cabo DVD e jogos)

Para além de todos os acertados comentários que bem fez, apesar de ter sido demasiadas vezes interrompido – sem necessidade – pela interlocutora, que deveria ser mais facilitadora e menos faladora, foi exato, necessário e oportuno. Já estamos a “isso” habituados, daí MRS ter uma audiência que não escolhe idades, nem extratos sociais!

E para chegar a Manuel Ferreira Leite que só aparece de quando em quando, quando todos fazem comentários também o tem que fazer, uma vez mais, fiquei com a impressão – não fui o único! longe disso-  que foi porta voz ,mesmo que sem pedido, só por convicção,  de Aníbal Cavaco Silva,  e aliviou a intervenção tao necessária do Presidente da Republica e a atirou para os deputados do seu Partido, do PSD, a forma de o PR não intervir, de não ter que falar “já” aos portugueses.

Como bem disse Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente da Republica tem que intervir, e Manuela Ferreira Leite que anda há anos e anos na politica, para além de não dever incitar os deputados a votar contra o que o seu Partido, mesmo que o seu Chefe e PM esteja a fazer com que tenha todo o País contra si, disse algo que surpreendeu. Esta interpretação nada tem a ver com MRS, já a tinha antes deste falar, ontem: Então os deputados vão votar contra, arriscando-se a ter que sair de deputados? Nestes tempos? E vão para o desemprego?

Quando se fazem estes cometários convém entender o lado de“cá”! O lado dos que andamos normalmente em supermercados, nas bombas de gasolina low cost, no meio das pessoas não importantes, e isso MRS sabe sentir. Não tenho qualquer procuração para o defender nem ele minimente precisa que alguém, muito menos eu, o faça.

Mas se não se sentir o que se pensa  – o vulgar do cidadão – dos deputados e das figuras publicas, não ouvir mães e pais que ganham menos que 500 euros mês e não lhes chega o dinheiro ao fim do mês, e têm tanto medo do desemprego, olhar para um deputado que ganha dez vezes mais, fora regalias, colocar-se a jeito de ser “despedido”, não “passa”!.

Por outro lado, deve o Chefe do Partido ter que ouvir e aceitar e sugestões, discordâncias dos seus deputados e não só, antes de decidir, no caso estrondosamente mal, e não ser em praça pública que tal se resolve, quando ainda para mais, se sabe que os deputados na prática não são por nós eleitos nominalmente, são escolhidos pelo chefe dos respetivos partidos. Que exigem que se siga o chefe do momento!

Todos, Partidos, logo o que interessa hoje, agora, é que tenhamos todos os órgãos de soberania a ajudar a atacar a Crise em vez de se esperar que o País se incendeie, e quando ficarmos atrás da Grécia, quem deveria ter intervido vir faze-lo a destempo!.

E por outro lado por muito que se respeite a figura do PR, tem que quem para lá foi eleito, e no caso diretamente, que intervir, não para confundir, mas para ajudar a o País a não ser de facto a segunda Grécia. E se o não fizer, como não fez, e até aqui, deverá faze-lo, urgentemente.

E claro que todos os deputados, todas as Pessoas que têm funções no executivo, na legislação, nos tribunais devem faze-lo a bem da defesa da população e do País! Sem dúvidas!

Augusto Küttner de Magalhães

Setembro de 2012

Parece.

Sol, 21 de Setembro de 2012.

PSD e CDS-PP vão criar Conselho de Coordenação da Coligação