Aposta portuguesa no Oriente é “óbvia, natural e tardia”, diz Miguel Relvas

(c) Antero Valério