… perante qualquer desmando igualitário, universal, de um qualquer governo. Digamos que o problema não é matar, é não matar todos. Poderia passar por liberalismo a evocação do princípio da igualdade mas é apenas o total desrespeito pelos direitos dos cidadãos. Porque uma coisa é defender o princípio da igualdade no sentido positivo, outra defendê-lo no sentido de universalizar o esbulho.

Quando um tribunal cuja função é fazer respeitar a Constituição permite este tipo de situações, realmente, não merece existir.