Junho 2012


Aqui, ao contrário de alguns comentadores especialistas.

Pedro Proença apita final do Euro’2012

O problema é arbitrar em Portugal.

A situação é a seguinte:

Sou Professor de Q.Agr. Grupo 230

No ano letivo de 09.10 fui colocado numa escola em DAR. Entretanto no ano 10.11 uma colega do QZP do grupo 110 ficou sem turma e foi para a escola sede do agrupamento ficando com um horário do grupo 230 para o qual também tem habilitação profissional.

Na próxima distribuição de serviço a Diretora do agrupamento diz que vai prescindir de um horário do 230 e publicitou uma lista com a graduação de todos os docentes por Grupos de recrutamento.

A colega QZP do Grupo 110, consta dessa lista no Gr 230 e como é mais graduada que eu  vou ter que sair da situação de DAR.

Será que isto é legal?

Pelo menos justo não é!!!!!

(…)

Legal… legal… não será… mas as margens de arbitrariedade na distribuição de serviço por parte das direcções pode permitir isto ou… muito pior, desde que os encostos estejam quentes.

Recebido esta tarde… Será que um GAVE autonomizado funcionará melhor?

Caras e Caros Colegas,

Acabei de receber o Documento GAVE com alguns esclarecimentos relativos à classificação da Prova de História da Cultura e das Artes (código 724), 1ª fase.

Agradeço que verifiquem se têm algum caso em que necessitem de alterar as vossas classificações. Se necessitarem de solicitar algum esclarecimento podem fazê-lo, por esta via, até amanhã Sábado, dia 30 do corrente, ao final da noite.

Mais informo os colegas, porque tem havido algumas dúvidas em agrupamentos de exame, que a entrega das provas é na 2ª feira, dia 2 de julho, da parte da tarde.

(…)

Anexo: DOC GAVE 2012 _HCA_724_1F-1.

CAP nomeada no novo mega em Castelo da Maia. Ao que parece, o senhor DREN recompensou a desafeição da directora da Secundária, Paula Romão, com o seu afastamento, optando pelo director do Agrupamento de Escolas de Castelo da Maia para chefiar a dita CAP e não a directora da escola-sede.

Vou acreditar que nada disto tem a ver com aquele Prós e Contras e depurações à moda da outra senhora, mas tudo com opções legítimas e fundamentadas nas vontades dos envolvidos.

Exmo Senhor

Ministro da Educação Prof. Doutor Nuno Crato

Excelência

A publicação do documento “Matrizes Curriculares dos Ensinos Básico e Secundário” suscita-nos a maior perplexidade, no que à disciplina de Educação Física diz respeito, dadas as suas implicações na formação e desenvolvimento harmonioso dos alunos e nas consequências que necessariamente terá na sociedade portuguesa.

Não se vislumbram razões de ordem pedagógica e científica nas medidas adoptadas. Pelo contrário, são decisões que contrariam não só recomendações de instituições internacionais credíveis (Comissão Europeia, Parlamento Europeu, Organização Mundial de Saúde, para citar apenas algumas), mas também a própria evidência científica.

Refira-se um exemplo:

Childhood is an important period to instil a preference for healthy behaviours, and to learn the life skills necessary to maintain a healthy lifestyle. Schools clearly play a crucial role in this respect. This is also an area where there is already firm evidence of the effectiveness of intervention: studies show that locally focussed actions, with very wide ownership, targeting 0-12 year olds will be effective in changing behaviour in the long run. Work should focus onnutrition education, and on physical activity. Health education and physical education areamong priority themes in the new Lifelong Learning Programme (2007-2013)(In, White Paper “A Strategy for Europe on Nutrition, Overweight and Obesity related health issues”, 2007,Commission of the European Communities, 2007, pag. 8).

As chamadas de atenção da parte da Comissão Europeia foram feitas considerando que:

1) Estão muito bem documentados os benefícios para a saúde da prática das actividades físicas e desportivas na infância, na adolescência e na idade adulta.

2) É muito preocupante a percentagem de crianças e jovens que apresenta baixos níveis de actividade física. A situação apresenta-se particularmente grave nas raparigas, nas crianças e jovens portadores de deficiência, e nos alunos oriundos de famílias com fracos recursos económicos.

3) É cada vez maior o número de crianças e jovens com excesso de peso e obesidade, como resultado de uma dieta inadequada, ou pouco variada, e reduzida actividade física.

4) As crianças e jovens sedentários estão mais predispostos a converterem-se em adultos inactivos.

5) Reconhece-se não ser possível resolver o problema do sedentarismo e da obesidade nas crianças e jovens sem o contributo da Escola e da Educação Física.

Acontece que, infelizmente, Portugal está entre os Países com taxas mais elevadas de sedentarismo e obesidade entre a população infantil e juvenil. Assim, torna-se totalmente incompreensível a decisão de reduzir a carga horária da disciplina de Educação Física no 3º ciclo e no ensino secundário, ou deixá-la à decisão última das Escolas.

Procurar solucionar o fraco rendimento escolar dos estudantes portugueses, em algumas áreas disciplinares, à custa da redução do tempo lectivo atribuído à Educação Física, é um preconceito que não tem qualquer sustentação científica, e que terá necessariamente efeitos perversos no desenvolvimento harmonioso da população escolar e agravará os custos do país com a saúde pública.

A decisão do Ministério da Educação e Ciência de reduzir a carga horária da Educação Física ocorre, paradoxalmente, quando um número crescente de estudos tem vindo a demonstrar que:

1) A prática estruturada da actividade física e do desporto, na Escola, exerce uma influência positiva no comportamento, na atenção, na aprendizagem e no rendimento escolar dos alunos.

2) O rendimento escolar é mantido, e algumas vezes aumentado, quando existe um incremento dos níveis de actividade física formal na Escola, situação que se verifica mesmo nos casos em que há uma redução do tempo curricular ou do tempo livre dedicado ao estudo de conteúdos predominantemente cognitivos.

Reduzir a carga horária da Educação Física não tem como consequência apenas privar a população escolar de uma parte da actividade física a que tem direito e necessita para o seu pleno desenvolvimento. É limitar significativamente a oportunidade de todas as crianças e adolescentes adquirirem os conhecimentos e desenvolverem as atitudes e competências necessárias para uma participação emancipada, satisfatória, consciente e prolongada na cultura do movimento ao longo de toda a vida. Significa ainda desvalorizar, perante a sociedade em geral, a importância de uma prática regular das actividades físicas e desportivas e a responsabilidade de cada cidadão assumir um estilo vida activo e saudável.

As reformas educativas (e curriculares) só ganham verdadeiro significado pedagógico e social quando contribuem para melhorar a formação daqueles que frequentam o sistema educativo, beneficiando a sociedade no seu conjunto. Não se conseguem apreender os benefícios que resultarão para os alunos e o país da concretização das medidas constantes no documento “Matrizes Curriculares dos Ensinos Básico e Secundário”.

Se por hipótese, com a publicação do documento “Matrizes Curriculares dos Ensinos Básico e Secundário”, o Ministério da Educação e Ciência pretende alcançar objectivos que nada têm a ver com a formação da população escolar, então V. Exª tem o dever ético de os dar a conhecer à população portuguesa.

Nem a actual situação de crise financeira e económica justificam tal medida; há já algum tempo que estudos de organismos internacionais concluíram que o investimento em Educação Física e Desporto representa a melhor poupança nos gastos com a saúde.

Na expectativa de que não deixará de reconsiderar a decisão tomada, colocamo-nos à disposição de V. Exª, e do Ministério da Educação e Ciência, para os esclarecimentos que possa entender úteis.

Com os melhores cumprimentos,

António Manuel Fonseca

Prof. Catedrático, Universidade do Porto afonseca@fade.up.pt

António Marques

Prof. Catedrático, Universidade do Porto amarques@reit.up.pt

António Rosado

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa arosado@fmh.utl.pt

António Veloso

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa apveloso@fmh.utl.pt

Carlos Ferreira Neto

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa cneto@fmh.utl.pt

Francisco Bessone Alves

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa falves@fmh.utl.pt

Francisco Carreiro da Costa

Prof. Catedrático, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologiasfcarreiro.costa@gmail.com

Francisco Sobral Leal

Prof. Catedrático, Instituto Superior Dom Afonso III

fjsobral@gmail.com

João Abrantes

Prof. Catedrático, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologiasjoao.mcs.abrantes@ulusofona.pt

João Barreiros

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa jbarreiros@fmh.utl.pt

João Paulo Vilas-Boas

Prof. Catedrático, Universidade do Porto jpvb@fade.up.pt

Jorge Bento

Prof. Catedrático, Universidade do Porto jbento@fade.up.pt

Jorge Ferreira Crespo

Prof. Catedrático, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Jorge Mota

Prof. Catedrático, Universidade do Porto jmota@fade.up.pt

Jorge Proença Martins

Prof. Catedrático, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias defdl@ulusofona.pt

José Alberto Ramos Duarte

Prof. Catedrático, Universidade do Porto jarduarte@fade.up.pt

José Alves Diniz

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa

JADiniz@fmh.utl.pt

José Gomes Pereira

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa jgpereira@fmh.utl.pt

José Maia

Prof. Catedrático, Universidade do Porto jmaia@fade.up.pt

José Soares

Prof. Catedrático, Universidade do Porto jmsoares@fade.up.pt

Leonor Moniz Pereira

Profª. Catedrática, Universidade Técnica de Lisboa lmpereira@fmh.utl.pt

Luís Bettencourt Sardinha

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa lsardinha@fmh.utl.pt

Pedro Cordeiro Sarmento

Prof. Catedrático, Universidade Lusíada pacsarmento@hotmail.com

Pedro Teixeira

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa pteixeira@fmh.utl.pt

Rui Proença Garcia

Prof. Catedrático, Universidade do Porto rgarcia@fade.up.pt

Sidónio Serpa

Prof. Catedrático, Universidade Técnica de Lisboa sserpa@fmh.utl.pt

Relvas orgulhoso de um país que está entre os quatro melhores da Europa

  • Português (Será desta que mudam o nome da disciplina, que é Língua Portuguesa no Ensino Básico?)
  • TIC para 7º e 8º ano.

Supremo Tribunal dos EUA confirma lei que protege mais pobres na doença

Romney abolirá reforma da saúde nos EUA se for eleito presidente

Rafaella Carra, Fiesta

… da “fusão invertida” não me sai da cabeça, um gajo habituava-se aos cornos, mas eis quando…

Um discurso motivador do Ministro da Economia.

E está tudo legal?

Digam o que disserem, parece-me anglo-sax.

Ao intervalo.

Ex.mos Sr.s Jornalistas,

agora que acabou o Euro (não interessa qual), e enquanto alguns dos vossos prezados pares ainda entretêm o ppl com a angústia da cor das cuecas dos actores com AAV do-melhor-que-há, sugiro que nos contem do estado das cuecas do sindicalismo, cruzeiros, cilindradas e coiso.

É apenas uma sugestão, amanhã já ninguém se lembra, eu que não sou de intrigas e também estou aqui no meu canto.

Saudades às tias.

Este sempre vosso e afectuoso,

Fafe

P.S.: Desculpem, abri a carta sem querer…

… uma muito jovem e fresca deputada do PSD a explicar qualquer coisa sobre o ministro Relvas e a Comissão de Ética. Gostei da forma, quase-gasparizada, como a deputada explicou qualquer coisa, contrária à posição do PS, que consta ser esta. PS que tem na dita Comissão vultos como Inês de Medeiros e Ricardo Rodrigues, exemplos magnos de especialistas no dito assunto da coisa da Ética.

… dos primos, enteadas, vizinhas, amigas e conhecidos.

O secretário de Estado da Segurança Social garantiu hoje que a entrega a privados da gestão de infantários e centros infantis não põe em causa os postos de trabalho, nem a qualidade do funcionamento dos equipamentos.

Ministério transformou professores do quadro em contratados nas estatísticas de 2010/2011

A Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) enganou-se nos dados sobre o ano lectivo 2010/2011 que disponibilizou na passada segunda-feira.

Claro que ninguém tem culpa de nada, errar é humano e trolaró.

É como com as provas finais de 6º ano. No caso da 2ª chamada de Matemática, caderno 2, passava-se da figura 5 para a 7. Nada de muito grave, pois os miúdos mal notam e até tinha errata.

Mas para tanta gabarolice com o tempo gasto a fazer as provas e com os sucessivos mecanismos de controle… é inaceitável.

« Página anteriorPágina seguinte »