Há denúncias e denúncias. Umas fazem sentido, outras não.Umas trazem fundamentos, outras perdem-se em si mesmas.

Num tempo em que tanto se elogiam as redes sociais como forma de debate instantâneo e de de mobilização em rede para certas causas (lembram-se dos rasgados elogios ao twitter e facebook quanto à primavera árabe?) é ridículo andar no facebook a denunciar que os deputados estejam, no parlamento, a usar o dito cujo, sem que se verifique exactamente o que estavam a fazer.

Acredito que alguns usem as redes sociais de forma menos apropriada ao lugar. Mas… e se em alguns casos estiverem mesmo online a debater, em tempo real, o tema em discussão no plenário com os seus contactos?

Não seria interessante num debate sobre um tema polémico – a regionalização, a ivg, o casamento de pessoas do mesmo sexo, o federalismo europeu – que os deputados da Nação estivessem mesmo a recolher contributos da dita Nação?

Utópico? Ingénuo? Quiçá, mas não seria melhor confirmar antes de atirar a matar?