Quinta-feira, 14 de Junho, 2012


Jessie J, Price Tag

surgiu.  Tem graça que dos mais nervosos.

Sapateiro reformado de Vila Franca de Xira multado por alimentar cães abandonados

Um sapateiro de Vila Franca de Xira, reformado, foi multado em 995 euros por alimentar cães abandonados que andavam junto a uma propriedade de familiares. Chegou a ter a moto penhorada por ter falhado duas prestações.

da EF – os geadas, fora daquilo – nem se sabem “mexer”, é vê-los de passo travadito!

 

Acabei de comprar mais uma casa, deve ser por isso que ainda tenho um telemóvel do século passado e do qual alguns se riem; é só evitar adquirir outro para a reconstruir.

Cânticos do princípio ao fim do jogo, mesmo depois de estar a perder 4-0. Fantástico. Arrepiante. A merecer profunda vénia.

Ofsted figures show almost half of schools not doing well enough

Newly qualified teachers being hounded out by bullying schools

Newly qualified teachers are leaving the profession after being left unsupported when they start work. And the problem is likely to get worse.

Egypt’s supreme court dissolves parliament and outrages Islamists

Highest court also rules army candidate can remain in election race in moves denounced as a coup by Muslim Brotherhood.

Posição da ANDE sobre a Organização e Gestão Curricular (Decreto-Lei a publicar) e Despacho-Normativo 13A/2012, de 5 de junho

 

A ANDE procedeu a uma leitura e análise atentas dos documentos relativos à Organização e Gestão Curricular e ao diploma de Organização do Ano Lectivo 2012/13, os quais não podem ser desenquadradas de outros processos em curso, nomeadamente da agregação de escolas e agrupamentos de escolas (que implicará a existência de organizações de maiores dimensões, mais dispersas e de gestão mais complexa) e do período de dificuldades económicas que o país atravessa, com as consequentes perturbações sociais que, inevitavelmente, se fazem sentir nas escolas.

Assim, a ANDE assinala as seguintes preocupações:

1.       É muito negativa e penalizadora para as escolas a redução do tempo destinado ao trabalho de Direção de Turma. O Diretor de Turma tem responsabilidades muito importantes na gestão dos alunos e professores da turma sendo, ainda, o interlocutor privilegiado das escolas com o exterior, seja com as famílias ou com outras instituições com que, cada vez mais, tem de articular o seu trabalho. Num momento de crise económica, o trabalho do diretor de turma é ainda mais intenso, pelo que consideramos que este corte no tempo destinado ao trabalho do diretor de turma, prejudica a gestão dos processos educativos dos alunos e compromete a ligação das escolas às famílias e à comunidade.

2.       Este prejuízo é ainda mais grave nos casos em que está prevista a agregação e o aumento da dimensão das organizações escolares. Não é aceitável, sob o nosso ponto de vista, que a este aumento de dimensão e de dispersão física das unidades orgânicas corresponda uma diminuição de recursos humanos. Antes pelo contrário, a complexidade introduzida pela agregação de escolas aconselharia a um reforço de horas para o trabalho das Coordenações e das Direções de Turma, de forma a mitigar a maior dispersão e dimensão da organização e a resolver os problemas que daí resultarão.

3.       Não achamos razoável que, pelas razões apontadas no ponto anterior mas também por ser cada vez maior o volume de trabalho exigido à Direção das escolas, se reduzam os recursos humanos a esta destinados. A redução significativa do número de horas destinadas ao trabalho do Subdiretor e Adjuntos, para além de comprometer a eficiente gestão traduz-se numa desvalorização da Direção das escolas.

4.       Consideramos que a gestão da distribuição de serviço e das matrizes curriculares, que são apresentadas como uma conquista de autonomia, trazem, isso sim, constrangimentos em função da difícil compaginação entre aulas de 50 minutos, aulas de 45 minutos e créditos horários cuja unidade não é especificada. Por outro lado, consideramos que a publicação de um diploma legal com tantas e tão complexas mudanças organizacionais, não deveria ocorrer neste momento de preparação do próximo ano letivo. Note-se que o processo de aplicação deste articulado ocorre em simultâneo com processos de agregações.

5.       Por último, a ANDE rejeita a ideia difundida junto da opinião pública de que estes diplomas legais vêm reforçar a autonomia das escolas. Com efeito, bastariam os espartilhos e regras que são colocados na distribuição de serviço, na organização dos horários e no apuramento do crédito de tempo de cada escola para duvidarmos do reforço da autonomia propalado. Mas, as dúvidas desaparecem quando constatamos que, simultaneamente ao discurso do “reforço da autonomia” são retirados importantes meios de gestão às escolas. O balanço é negativo e consideramos que a autonomia das escolas se vai restringir e não reforçar como tem sido difundido.

13 de Junho de 2012

A Direção da ANDE

Galicia agrupará en la misma aula a niños de 6 a 12 años para ahorrar

Educación recupera el modelo de las antiguas escuelas rurales unitarias.

Mas a parte boa é que há dinheiro fresco para os bancos (que não da escola).

A Associação Nacional de Dirigentes Escolares considera que o despacho de organização do próximo ano lectivo “vai restringir” a autonomia das escolas e não reforçá-la, conforme anunciado pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC).

Mas também é verdade que abre um pouco mais o caminho à consolidação de micro-poderes de quase vida ou morte (profissional).

E o que é dito para a autonomia poderia ser dito para a alegada liberdade de escolha

Acerca deste post, chamaram-me a atenção para o facto das matrizes aí citadas já estarem online desde dia 5. Pesquisando o noticiário, é verdade que se encontra esta notícia a dar conta do facto da mudança em relação às matrizes divulgadas em Maio.

Confesso, portanto, a minha falta de atenção ao reagir ao que pensei ser uma novidade.

E verdade que o final do ano lectivo, com o cansaço a ele associado, retira alguns pontos à memória e acrescenta tédio a revisitações.

De qualquer maneira, não é menos verdade que há reuniões de Pedagógicos e Departamentos a realizarem-se com base nas matrizes “desactualizadas”, assim como há cálculos e projecções (prematuras, acho eu) de horários a preencher tanto com as matrizes de Maio como com as de Junho.

A confusão está instalada, não apenas por inépcia dos docentes, mas em grande parte por amadorismo em tudo isto, a todos os níveis.

Por uma vez, é bem mais certo fazer prognósticos só no final do jogo.

O lema era o inverso… mais (resultados) com menos (meios).

Tudo indica que se venha a ter menos (resultados) com mais (esforço, legislação). Ao fim de um ano lectivo, o rendimento é em clara perda. Os comentadores mais automáticos falarão em plano inclinado.

Depois de terminados os 6ºs anos, hoje acabei as aulas com os 5ºs. E sei que, apesar de tudo, talvez este seja um ano para recordar por boas razões.

Ni La Masía, ni Valdebebas, ni el Ajax

El Sporting de Portugal gana la Eurocopa de las canteras

  • Hay 10 futbolistas formados en su club, por nueve del Barcelona, los más representados

  • Dos balones de oro salieron de su academia: Figo y Cristiano Ronaldo

Cameron: I can’t recall reading Hunt memo supporting News Corp’s BSkyB bid

Live Prime minister tells Leveson inquiry he does not recall the existence of Jeremy Hunt’s 19 November 2010 memo in support of the bid

Há um ou dois dias instalou-se numa caixa de comentários uma discussão em torno da distinção (ou inexistência dela) entre autoritarismo e totalitarismo, enquanto conceitos operatórios para distinguir a natureza de alguns regimes políticos ditatoriais.

Para mim a distinção é natural, surgiu-me como óbvia desde muito cedo quando comecei a estudar um pouco mais a evolução política do século XX, em especial dos movimentos e regimes anti-liberais e anti-democráticos, mesmo quando dotados de simulacros de funcionamento eleitoral ou de debate político.

  • O autoritarismo, numa visão pessoal breve a partir das leituras feitas e não apenas de automatismos ideológicos, é uma forma de impor comportamentos a terceiros a partir do exercício de mecanismos opressivos que eu classificaria como exteriores e que procura, principalmente, obter a adesão, real ou simulada, dos indivíduos a um determinado tipo de comportamentos ou a omissão de outros.
  • Já o totalitarismo entra por esferas mais profundas da imposição dos comportamentos e da destruição, nos indivíduos, da capacidade de resistência interna ao que se lhes pretende impor. Há uma diferença de grau e, em parte, de natureza, no aparato repressivo imposto. Os mecanismos totalitários, mais do que a submissão, visam a aniquilação da capacidade de reacção. A generalidade das distopias ou das denúncias de comportamentos totalitários produzidas na primeira metade do século XX demonstram isso à saciedade, um pouco como muitos dos escritos posteriores de um Philip K. Dick.

Por paradoxal que pareça, pelo excesso do aparato desenvolvido para a opressão e pelo exagero da obediência exigida, o totalitarismo tende a gerar revoltas mais fortes do que o “mero” autoritarismo. As ditaduras autoritárias, por mais suportáveis, podem prolongar-se mais do que as que visam a completa destruição da natureza humana, mesmo se a revolta acarreta maiores perigos.

Tudo isto sobre os aspectos macro para chegar ao ponto dos traços micro dos comportamentos de natureza totalitária no quotidiano. Porque as tendências totalitárias se revelam apenas ao nível da super-estrutura política dos regimes, mas apenas porque ao nível individual das mentalidades há quem tenha esse tipo de pensamento que passa não apenas pela intolerância ao adversário, pela manipulação da realidade, pelo exercício da tentativa de repressão, mas principalmente pelo ódio ao outro, que é diferente de um modo insuportável, que só consegue satisfação na aniquilação psicológica ou física (e não apenas pela submissão externa) daqueles que são percepcionados como perigosamente imprevisíveis e incontroláveis.

Educação Física não vai contar para a média

A nota da disciplina de Educação Física vai deixar de contar para a média final do ensino secundário e para a entrada na universidade já a partir do próximo ano lectivo, confirmou ao CM o Ministério da Educação e Ciência.

Arkansas School Choice Law That Uses Race To Determine Transfer Eligibility Rejected By Judge

A blue man ‘dupe’: Parent panic at 32G ‘progressive’ school

Se é progressiva ou progressista compreende-se que a leitura não seja grande preocupação.

Página seguinte »