Mas então a crise não era apenas causada por excessivos défices públicos, provocados por excessiva despesa com a função pública e encargos sociais?

Não era só na Irlanda (e na distante Islândia) que era preciso acudir à banca privada, esse modelo de qualidade de gestão e accountability perante os accionistas e os mercados?