A discussão política em torno da Educação fica, muitas vezes, aprisionada por chavões com escasso conteúdo e não é raro que parte desses chavões se contradigam, mesmo quando usados pelas mesmas vozes.

Vejamos…

Os argumentos dos professores em defesa dos seus direitos são muitas vezes apresentados como corporativos, assim como se afirma que a governação do sector deve reger-se pelos interesses dos alunos.

Mas… se as medidas em desenvolvimento levarem ao aumento do desemprego de mão de obra qualificada e provocar o agravamento da situação social de muitos milhares de famílias, contraindo o consumo e afectando os encargos com alguns dos (cada vez mais escassos) mecanismos de protecção social não se está, de forma indirecta mas evidente, a prejudicar o tão evocado interesse nacional?

Ou o interesse nacional apenas existe para cobrir os milhões perdidos em negócios de e com cliques e clientelas fraudulentas?