O secretário de Estado do Orçamento, desvalorizou hoje, no Parlamento, o lapso da Direcção-Geral do Orçamento (DGO) que levou a uma subestimação da quebra dos impactos indirectos em Abril. Morais Sarmento considerou o erro lamentável mas exagerado .

“Foi lamentável, mas acontece. Um quadro da síntese de execução orçamental e do anexo saíram trocados. Isto não altera os saldos, nem a receita, nem a despesa. Apenas altera a composição das taxas de variação das componentes da receita”, clarificou o secretário de Estado.

E são estes os exemplos que continuamos a ter para apresentar aos nossos alunos? Que errar não faz mal… Que coiso e tal?