Contra que parede?

Miguel Relvas diz que foi ele que se sentiu pressionado

Convém não exagerar, senhor ministro… com tanto assessor e conselheiro recolhido nos blogues, espanta-me esta forma tão inábil e nervosa de estar.

Passada a ansiedade pelo poder, parece ter ficado uma estranha mania de querer ficar para a História como uma espécie de Costa Cabral ou Mouzinho da Silveira.

Não ficará, isso é mais do que certo, pelo que seria melhor aquietar-se e fazer pouco mas o bem possível (dentro das várias limitações, individuais e de conjuntura ), em vez de muito e tudo ao desbarato.