O maior problema é que nunca se fala dos principais privilegiados, ou seja, dos antigos ou futuros empregadores dos decisores políticos do momento.

Por que diabo é que esta conversa acaba sempre em redução do subsídio de desemprego e dos direitos de aposentação e nunca, mas nunca mesmo, nos direitos abusivos de certos monopólios ou oligopólios?

Porque será que se está sempre a falar de funcionários públicos, trabalhadores precários, beneficiários do rendimento mínimo e nunca, mas nunca, dos grandes empresários que abatem o que bem entendem ou usam dinheiros públicos como dá jeito ao calendário eleitoral e privilegiando quem lhes interessa, sabendo que serão sempre impunes, pois quem vem a seguir fará o mesmo e não arrisca avançar pela criminalização efectiva de práticas atentatórias da ordem legal pois sabem que irão fazer o mesmo?

Passos Coelho quer acabar com «privilégios injustificados»

Primeiro-ministro participou no encerramento do congresso do PSD/Açores enquanto líder do PSD.

O enquanto líder do PSD não é também primeiro-ministro? Já agora, deslocou-se os Açores à conta dos dinheiros do PSD, a factura não poisará, por mero acaso, em alguma secretária de São Bento?