.

Lendo as cerca de 30 páginas com 145 pontos de conclusões e as recomendações, fica-se principalmente com a sensação que os governos de Sócrates foram empurrando, empurrando, para mais e mais… acabando a administração por actuar como se tivesse mandato para ir gastando, gastando, desde que apresentasse obra utilizável para efeitos políticos.