Lembro-me de ter sido acusado de demagogia há uns tempos, penso que há mais de um ano, quando falei pela primeira vez nas carências alimentares que começavam a notar-se nos alunos e nas soluções alternativas que as escolas estavam a arranjar para desenrascar as situações mais dramáticas.

Agora é o MEC que assume que o problema existe, embora me pareça que a solução que está à procura não é a melhor… pois tudo indica que se pretende despertar um qualquer instinto filantrópico que supra as carências que o Estado não quer assumir como sua responsabilidade…

Governo pede comida para escolas às grandes empresas

(…)

O secretário de Estado da Educação, João Casanova, revelou no Parlamento que o Governo está a ter “reuniões com os conselhos de administração de grandes empresas do sector da alimentação na procura de soluções” para garantir o pequeno-almoço às crianças que precisem, avança a edição de hoje do Diário de Notícias.

O Ministério da Educação não adiantou mais pormenores ao jornal, explicando que nesta altura poderia ser “prejudicial” divulgar mais informação sobre os acordos que está a tentar conseguir.