Segunda-feira, 5 de Março, 2012


Pato Fu, Rock’n’Roll Lullaby

[Abana]

Acertou bi.

Mobile phones as cultural resources for learning – an analysis of mobile expertise, structures and emerging cultural practices

Clicar na imagem para aceder à versão de leitura.

Lamento ter-me abstraído de mim, tenho ido pela facilidade – como quem vai ao supermercado e faz pontos.

Descurei, ficaria mais selecto destruir.

GLO Maker
Authoring tool for learning objects

GLO Maker is an authoring tool for creating rich, interactive learning resources. It builds on the extensive experience of the Centre for Excellence in Teaching and Learning (CETL) in Reusable Learning Objects.

This authoring tool focuses on good learning design. It provides powerful features in an easy-to-use interface.

It is open source and free for educational use.

(c) We Have Kaos…

O presidente da Câmara da Póvoa de Lanhoso, Manuel Baptista, está “em estado crítico” e “ainda não livre de perigo”, depois de uma intervenção cirúrgica para colocação de uma banda gástrica que correu mal.

Manuel Baptista foi operado na quarta-feira, no Hospital Privado de Braga, para colocação de uma banda gástrica.

A operação correu mal e, na quinta-feira, foi transferido para o hospital público de Braga, onde foi novamente intervencionado.

Durante alguns anos o meu pai foi doente hemodialisado numa clínica privada multinacional com uma situação de quase monopólio em várias zonas do país por falta de investimento público nesta área.

Mas… sempre que algo corria mal – uma falha cardíaca, por exemplo – era metido numa ambulância e enviado para as urgências do hospital público, pois a clínica era xpto mas para uma única valência.

Ahhh… e médicos e enfermeiros tinham todos o seu lugar no sistema público, sendo que quando eram necessários os cocktails vitamínicos e outras coisas assim lá era preciso eu ir buscá-los mensal e depois quinzenalmente à farmácia do S. Francisco Xavier…

… as negociações em torno do regulamento dos concursos para docentes deveriam centrar-se, neste momento, com clareza em torno de dois pontos:

  • As regras para o concurso para provimento de necessidades transitórias que envolvem os professores contratados, pois são os mais desprotegidos e não podem ser deixados à mercê de condições profundamente injustas como tem acontecido nos últimos anos.
  • As regras para a questão da mobilidade interna, porque a reforma curricular ainda vai fazer estragos e aprovar as regras para DACL sem saber se estaremos a falar de algumas centenas, poucos ou muitos milhares de docentes é demasiado arriscado.

As negociações entre MEC e sindicatos em torno do diploma dos concursos vão ter nova ronda hoje pelas 20.30. O que é bom sinal, pois deixa de haver aquele pingue-pongue semanal que era habitual antes com o SE Ventura. Se as partes têm ideias sobre as coisas, há que agilizar procedimentos e não burrocratizar as coisas.

Aliás… dificilmente os signatários do acordo de Janeiro de 2010 poderão acusar o MEC de pressa…

Embora, por outro lado, ache que este diploma só deveria ser terminado depois de ser conhecer a versão final da reforma curricular.

Álvaro Santos Pereira em reunião inesperada com Pedro Passos Coelho

Gajo que é gajo só ameaça se estiver em condições de cumprir!

Se o ministro Álvaro bater com a porta terá a minha (quase) imorredoira solidariedade.

é papelada, papelada e mais papelada. Sei porquê, pelo medo.

Adenda: “A única coisa que devemos temer é o medo em si, um terror sem nome e sem razão, que paralisa os esforços necessários para converter a fuga em avanço.”

Franklin D. Roosevelt (primeiro discurso presidencial, 4 de março de 1933)

Uma pista: é alguém que quer chegar ao pote sindical às costas daqueles que levou anos a ofender:

Nos dois últimos triénios as divergências programáticas, que refletem abordagens político-sindicais divergentes entre grupos de sócios do sindicato, determinaram a existência de candidaturas concorrentes aos órgãos sociais.
Apesar disso as condições objetivas, determinadas pelo violento ataque que a ministra Maria de Lurdes Rodrigues iniciou contra os sindicatos docentes em geral, e contra a FENPROF em particular, acabaram por propiciar uma aproximação entre os membros dessas candidaturas adversárias, forjando as condições para uma unidade na ação que é imprescindível para combater as políticas da direita que pretendem o regresso à escola elitista de antes de Abril.

(…)

Só que, não tenhamos ilusões, a elevação da consciência política e sindical dos professores e o apoio destes às propostas sindicais mais consequentes e combativas não nasce de geração espontânea. Vai exigir-nos muito trabalho. Vai exigir um regresso do SPGL às escolas, retomando os princípios de um sindicalismo de classe que estiveram na sua génese e que remontam aos tempos dos Grupos de Estudos de antes do 25 de Abril.

Outra pista: é um ganda lutador que aceitou ser avaliador, na base da real politik da sobrevivência.

E uma última: é alguém que omite o facto de ter sido a liderança da Fenprof (e não do SPGL) a assinar com um sorriso quer o entendimento com Maria de Lurdes Rodrigues, que o acordo.com Isabel Isabel Alçada.

Mas tem uma enorme vantagem: revela qual a estratégia de instrumentalização frentista e unitária da luta dos professores por uma facção sindical sectária. Tudo com a cobertura de uma retórica enganadora que esconde o essencial: mais partido nas Escolas! como dizia o outro.

 

Contrato ilegal com João Pedroso vale multa a responsável da Educação

Tribunal de Contas condena antigo secretário-geral do ministério a pagar quatro mil euros. Caso segue agora para julgamento.

Provavelmente voltando a Portugal num Renault 5 ou num qualquer Citroen boca-de-sapo alugado para o efeito, como nos anos 70!

As declarações algo apalermadas feitas no sábado pelo nosso actual PM ainda me fazem alguma confusão.

Como é que alguém pode gerir o que não tem? Depois de dizer que os portugueses qualificados devem emigrar e/ou que, ficando cá, é necessário empobrecerem, como é que naquela cabecinha (será loira por dentro?) se consegue dizer tamanho disparate?

Mas será que PPC não percebe que nem todos somos relvettes?

Adoro os grandes gestores privados falidos em busca dos tutanos do Estado.

Presidente do BPI defende privatização parcial da CGD

Mas o Relvas resolve. Nomeia mais um grupo de trabalho e já está.

Fracasso no emprego deixa portugueses nas ruas de Londres

… mas tem sido tratado como banana.

Aconselharia um pouco de autoestima que se pusesse a andar. Ele. Mas não adianta ameaçar e fazer saber.. Quem quer demitir-se, demite-se.

Presidenta Dilma almoçou no Porto atraída pela fama de um prato de bacalhau

Página seguinte »