Acho que muita gente já reparou que nos últimos tempos, quer em círculos políticos próximos do governo, quer na blogosfera alaranjada, quer ainda em algumas criaturas comentadeiras, renasceu aquele discurso anti-profes que caracterizou a permanência do engenheiro no poder.

Começam a notar-se demasiado as semelhanças. Aquelas que eu vi, em devido tempo, no lançamento do livro da pseudo-Pasionaria da Educação cá do burgo. As afinidades mal (in)confessadas. Houve momentos em que pensei que talvez tivessem compreendido o erro mas, já se sabe, com umas quantas viagens à Órópa há quem se deslumbre e pense que se elevou acima de. O deslumbramento provinciano é pior que o provincianismo assumido.

Mas voltando à postura acintosa anti-profes…

É um erro.

Poderia desenvolver, mas fica a ideia para que a possam digerir. Uma simples tentativa para que percebam que ou resolvem os vossos demónios ou acabarão consumidos. Como o(s) outro(s).

Quem é amigo, quem é?