(c) Selecção de imagens e genial montagem sonora do Calimero Sousa

Para mim a parte mais deliciosa – para além da profusão de mãozinhas – continua a ser a sorridente busca do olhar ao 1’22”.

Não é que o António não tenha almofada certa se os chineses o mandarem embora, mas esta manifestação de profundo afecto – que lhe podiam ter explicado não ser muito apreciada em terras sínicas, que privilegiam a lealdade – é absolutamente comovedora. E cínica, penso eu de que.