Quinta-feira, 29 de Dezembro, 2011


Peter Gabriel and the New Blood Orchestra, Solsbury Hill

Desculpem, mas o trocadilho era impossível de…

Directora-geral do Orçamento demite-se em desacordo com o Governo

Maria Eugénia Pires já anunciou à sua equipa que vai abandonar o cargo na próxima semana.

A directora-geral do Orçamento apresentou a sua demissão ao ministro das Finanças, Vítor Gaspar, por discordância com algumas das políticas orçamentais seguidas pelo actual Governo, apurou o Económico.

PS espera que nova lei dinamize reabilitação urbana e evite rupturas sociais

(não, não estou a falar de relvas, nem seguros, embora…)

Student Debt Isn’t Just For College Kids Anymore

Student debt among middle-aged Americans grew by nearly half in the past three years. Thank the awful job market.

Do China’s Village Protests Help the Regime?

Over the past two weeks, the western press has focused on a striking story out of China: a riveting series of protests in Wukan, a fishing village in the country’s prosperous south. The story is depressingly familiar: Corrupt cadres sell off public land and villagers get nothing. Anger builds and protests erupt. Inept local officials negotiate and then turn to violence, in this case encircling the town with police in hopes of starving the population into submission.

De Tony Judt:

Moral seriousness in public life is like pornography: hard to define but you know it when you see it. It describes a coherence of intention and action, an ethic of political responsibility. All politics is the art of the possible. But art too has its ethic.

O acréscimo de emigrantes do domicílio, vulgo, sem-abrigo.

Aguarda-se a opinião do ministro Relvas e as boutades insurgentes, se possível a partir de um hotel dos Emiratos Árabes Unidos.

Euro sinks as Italian bond auction misses target

European Central Bank reported to have helped prop up Italian bonds as auction fails to reach hoped-for figure of €8.5bn.

Marginal revolutionaries

The crisis and the blogosphere have opened mainstream economics up to new attack

Há sempre um detalhe que os apologistas dos rácios tipo-OCDE (é verdade, para quando a retomada pelo actual Governo dessa prática gira dos Governos anteriores?) se esquecem sempre.

Se os alunos diminuíram à farta e os professores aumentaram a rodos, então é de esperar que existam turmas mais pequenas, certo? Porque os alunos estão, dessa forma, mais divididos por turmas mais pequenas, certo?

Seria essa a lógica.

Mas… infelizmente não é assim.

De acordo com a própria OCDE a evolução da dimensão das turmas foi a seguinte entre 2000 e 2009:

Se atentarem nos quadros, mesmo quem tenha poucas sinapses funcionais, percebe que Portugal está na média da amostra e que não houve especial evolução na dimensão das turmas.

Isto deveria fazer os defensores dos rácios pensar na razão porque isso acontece.

As principais são simples e já me cansei de as repetir:

  • Muitos professores asseguram nas escolas muitas horas de funções que não a docência, devido à falta de outro pessoal qualificado.
  • Aumentou o número de disciplinas e de horas no currículo e, logicamente, isso acarreta que sejam necessários mais professores mesmo que o número de alunos não aumente. E os Conselhos de Turma, no 3º CEB e Secundário, aumentaram por isso mesmo E, já agora, seria útil perceber-se que a criação de algumas dessas disciplinas não foi decretada pelos próprios professores.

Quem quiser analisar a coisa com mais atenção, pode espreitar o ficheiro em Excel que o Maurício me enviou: Average class size in primary education (2000, 2009).

Quando se apresentam quadros com linhas dramaticamente divergentes entre o número de alunos e professores seria interessante que se fizesse a seguinte interrogação: e porque não se reflecte nada disso nas salas de aula?

Mas para isso é preciso andar cá e não em consultas pelo Dubai… ou a olhar apenas para números, estudar variáveis e desconhecer completamente o que elas representam na vida real.

 

 

… há o grande fascínio de quem vai para lá fazer estas coisas e ainda mais os chamados consultores. Já o retorno concreto para o país…

E depois é sempre ver como os roteiros dos vendedores de banha da cobra divergem pouco. O outro foi para o Abu Dhabi

AEP inicia no Dubai promoção externa de 2012

Programa de internacionalização mais ambicioso de sempre arranca com feiras de saúde e alimentação.

Vai ser no Dubai, no próximo dia 23, e com a participação de oito empresas portuguesas na maior feira de negócios da área médico-hospitalar do Médio Oriente que a Associação Empresarial de Portugal (AEP) dará início ao seu programa de internacionalização mais ambicioso de sempre.

Ao longo dos 12 meses do próximo ano, serão realizadas 43 acções de promoção externa, entre missões multissectoriais (15), feiras (26) e outros eventos (dois), em 30 países, de quatro continentes. O investimento global é superior a 5,9 milhões de euros e é co-financiado pelo Compete, ao abrigo do QREN, estando previstas 385 participações, de que beneficiarão mais de 150 empresas.

Oposição inorgânica

E agora lá terá de ser outra vez, porque a oposição orgânica é uma miséria.

Antes foram rosas, agora são laranjas.

… então do agravamento da demografia negativa e da descapitalização e desqualificação humana do país.

A avalanche dos novos portugueses no Brasil

Só na primeira metade deste ano, mais de 50 mil portugueses pediram residência no Brasil. E multiplicam-se os trabalhadores ilegais. Vistos e burocracia têm sido o grande travão. Arquitectos, engenheiros, gestores parecem dominar. Mas há quem chegue com o 12º ano.

Sobram-nos os relvas e amigos.

Governo acaba com nove centros Novas Oportunidades

(…)
Segundo o Diário da República de hoje, são extintos os centros Novas Oportunidades promovidos pelo Instituto Politécnico de Leiria (Leiria), pela Escola Secundária de Montemor-o-Novo (Montemor-o-Novo), pela Escola Secundária com 2.º e 3.º Ciclos Gil Vicente (Lisboa), pela Escola Superior de Educação de Portalegre (Portalegre) e pela Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de Sacavém (Loures).

Além destes, são igualmente extintos os centros Novas Oportunidades promovidos pela Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de Madeira Torres (Torres Vedras), pela Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Leça do Balio (Matosinhos), pela Agrupamento de Escolas de Pampilhosa e pela Escola Secundária da Moita (Moita).

Há pelo menos um caso que conheço que vai dar imenso jeito à escola privada que funciona perto.

Não se esperava outra coisa, porque as declarações que pareceram divergentes serviram apenas para marcar uma posição de apoio mais amplo, mas…

Cavaco não envia Orçamento para o Constitucional

Cavaco Silva deixou passar o prazo para enviar aos juízes o documento, que criticou por violar princípios básicos. Promulgação deve ser o próximo passo.

… proteger os clínicos mais expostos a pacientes com doenças complicadas.

Médica de Armando Vara rouba ourivesaria

O essencial foi descobrir os efeitos do contágio quando o bichinho ainda estava em desenvolvimento…

Chávez questiona se EUA provocaram cancro nos líderes sul-americanos

Aguardo, com o sorriso de quem sabe que não aparecerão, as críticas dos que acham que brincar com a vida e a morte é de mau gosto.

(embora, pela forma como todos estão em processo de cura, a tese maior seja a da incompetência americana na matéria… nessa matéria os russos parecem bem mais eficazes)

Parlamento é “escritório de representações”

… isto anda tudo marado ou…

Maria Cavaco Silva, Primeira dama

“A laranja do Algarve é um produto de que gosto muito”

Pronto, já sabíamos. Anda casada com um(a) há umas décadas, certo?

(não há imaginação para mais, nem a coisa merece grande esforço…)

Novas Oportunidades, abertura de novas turmas suspensa.

Pronto… a insurgência passista-relvista para o ano já poderá fazer as contas sem as NO a atrapalhar.

Como várias (demasiadas!) vezes escrevo as NO foram um embuste que precisava de uma grande revisão. Mas não sei se é bem isso que se vai passar.

E espero que, suspendendo os cursos, não fiquem – apesar disso – os cargos de chefia ocupados por cristãos-novos.

Página seguinte »