Segunda-feira, 12 de Dezembro, 2011


Fool’s Gold, The Dive

Os Vampire Weekend da outra costa…

Apresentação da proposta de reforma curricular

FENPROF e FNE sobre a proposta de revisão curricular (antes da apresentação da proposta)

Professores que fazem 200 km para chegar à escola… e partilham automóvel.

O aumento da escolaridade para 12 anos num contexto de vacas escanzeladas teria de se basear numa qualquer forma de contornar o problema.

O aumento de alunos no Ensino Secundário implicaria a necessidade de mais professores.

A menos que… se reduzisse a carga lectiva, cortando horas às disciplinas ou mesmo disciplinas, por forma a compensar o aumento previsto de encargos.

Vai daí e temos esta proposta que faz uma pequena poda no 10º e 11º ano e desbasta fortemente o 12º ano, algo que espero dê frutos na forma como os alunos venham a chegar aos professores superiores… pelo menos a alguns. Ou aos polis que gostam de dar aulas a centenas de uma vez para pouparem horas…

Numas contas de merceeiro, a estrutura actual do Secundário ronda as 50 blocos de 90 minutos (mínimo de 47,5, máximo de 51,5) para os 3 anos. Na presente proposta esse valor fica nos 45 blocos, o que significa um corte de 10% no total de tempos lectivos.

No caso do Secundário, porque muitos dos docentes leccionam também o 3º CEB (o menos sacrificado nesta etapa de cortes), é mais difícil calcular o número que daqui pode resultar de horários zero, mas penso que ainda será um número significativo… a menos que o número de alunos aumente de forma equivalente no próximo ano.

Agora uma coisa é certa… a escolaridade de 12 anos será pobrezinha, magrinha…

Qual é o grande desafio do nosso tempo?

Quando a incerteza e a crise batem à porta do país, da europa e do mundo, onde está a solução?
A Ciência e a Investigação fazem a diferença.
O que é que o Ensino Superior e a Ciência podem fazer por Portugal?
O ministro Nuno Crato, João Lobo Antunes, António Nóvoa, Fátima Barros, António Cruz Serra, juntos no Prós e Contras

Atentemos na proposta de reorganização, reforma ou revisão curricular:

Vamos lá fazer as contas do ponto de vista dos recursos humanos (a menos que alguém ache demasiado corporativo), porque isto envolve a vida profissional e pessoalde milhares de pessoas e, por tabela, de milhares de famílias.

Até agora tínhamos 33 tempos lectivos (descontando EMR), dos quais era habitual 6 serem em par pedagógico (4 para EVT e 2 para EA). Isto significa que, do ponto de vista dos horários de professores, cada turma tinha o equivalente a 39 tempos lectivos.

Na presente proposta aparecem 30 tempos lectivos, não se percebendo se o Apoio ao Estudo (facultativo) será englobado no horário lectivo ou não ou remetido para a CNL. MAs, no máximo, existirão 35 tempos lectivos.

Isto significa que, assim olhando à pressa, se perdem 23% dos tempos lectivos na hipótese mais complicada (Apoio ao estudo na CNL) ou 10% na hipótese menos desfavorável (AE na CL).

A distribuição das perdas, atendendo ao desaparecimento da Formação Cívica e do Estudo Acompanhado, deverá ser na ordem dos 50% para o grupo de EVT e de outros 50% para os restantes grupos disciplinares.

Actualmente, o grupo de EVT, em termos de horários de professores, ocupa 8 tempos do total dos 39 (acima dos 20%) de cada turma.

Olhemos agora para o número de professores em exercício em 2009/10, para o qual dispomos das estatísticas oficiais online mais recentes:

Sendo a matriz apresentada aplicada a todo o sistema, público ou privado, temos um universo a rondar os 32.000 docentes. Desses, assim por alto, teremos pelas contas anteriores (lamento, não tenho inside data) uns 6500 docentes de EVT. Metade deles está em risco.

Quanto aos restantes, numa estimativa intermédia, de 15% de perda de horas lectivas, teremos perto de 5000 docentes com o lugar em risco.

Na mais caridosa das possibilidades serão mais de 3000 neste ciclo de escolaridade.

Quem fizer melhores contas ou tiver acesso a informações mais rigorosas e actualizadas, corrija-me. Tudo isto foi feito entre o jantar e o apoio ao TPC da petiza. Posso ter-me distraído nos pormenores ou enviesado um qualquer raciocínio.

… no feicebuque, porque a petiza ficou com ordem de restrição de se aproximar aqui do computador e o outro está de quarentema.

Estamos a falar de uma reforma, de uma reorganização, de um reajustamento, de um remendo ou do quê?

Isto é para durar quantos anos? Pelo menos os três anos do 3º ciclo de escolaridade? Porque nem ouso pensar que sirva para os cinco que vão do 5º ao 9º para quem entrar em 2012-13 no 2º CEB.

Vamos fazer uma discussão pública de mais este conjunto de cortes sem sabermos qual a duração das medidas?

Porque o comunicado, a este nível, fala numa etapa… uma etapa num trajecto em que sentido? Ao que parece serão redefinidas as metas de aprendizagem e os programas… Quando?

A etapa de revisão da estrutura curricular que agora se inicia abre caminho a reformas curriculares mais profundas que permitirão melhorar significativamente o ensino das disciplinas fundamentais. Neste sentido, criará as condições para uma definição das metas de aprendizagem disciplinares e reformulação posterior dos programas com vista a um trabalho consistente de alunos e professores na melhoria da aprendizagem.

Página seguinte »