A que horas é que “dá” aquele filosofeiro no serviço público?