Quinta-feira, 8 de Dezembro, 2011


Faith no More, Ashes to Ashes

No percurso trilhado até à aprovação do Orçamento do Estado para 2012, o PS de António José Seguro constatou, como o Governo, que o défice deste ano, na ordem dos 3400 milhões de euros, “foi superior àquilo que estava previsto”. Mas não por causa de “má governação” do Executivo de José Sócrates, advogou Carlos Zorrinho na entrevista emitida esta sexta-feira pela Antena 1. O que existiu, sustentou o líder parlamentar socialista, foi “um conjunto de variações de contexto económico”. E é isto, na ótica do maior partido da Oposição, que “leva a que o esforço em 2012 tenha que ser um esforço maior do que aquele que seria necessário se não houvesse esse défice”.

… a camisinha laroca, o casaquinho cheio de griffe. É já a seguir na segunda parte.

Será de ficcionista para ficcionista?

A que horas é que “dá” aquele filosofeiro no serviço público?

Só que a televisão pública está sempre disponível e aposto que os relvas e os galambas, cada quais a seu modo, estão mais do que expectantes da Palavra.

José Sócrates vai à RTP explicar as suas declarações sobre o pagamento da dívida

José Sócrates, ex- primeiro-ministro, vai estar esta noite no Telejornal, na RTP, para explicar as declarações que proferiu numa conferência em Paris sobre o pagamento das dívidas dos Estados. A informação foi confirmada por Nuno Santos, director de programas da estação pública.

Pouco noticiada por cá, embora com um mês.

Ohio Voters Repeal Anti-Union Law. Will Wis. Gov. Walker Be Next?

Repeal approved by wide margin; Walker recall effort begins next week

“This vote is a lightning bolt of hope across Ohio and Wisconsin and everywhere right-wing governors are trying to take away the rights of workers,” Wisconsin AFL Secretary-Treasurer Stephanie Bloomingdale declared last night at a victory party in Columbus, Ohio, celebrating the 61-39 percent vote in favor of repealing Gov. John Kasich’s anti-union law.

The law, passed earlier this year by a GOP-dominated legislature and known as SB5, would have effectively eliminated the right to union representation for public workers in Ohio.

Kasich’s law, now null and void, was similar to the one that Wisconsin Gov. Scott Walker and his Republican allies rammed through the Wisconsin State Legislature earlier this year with little regard for democratic niceties. But Ohio’s bill went even further than Walker’s, taking away the union rights of police officers and firefighters.

The inclusion of the police and firefighters strengthened repeal supporters’ efforts, as TV ads showed firefighters how the law would prevent them from negotiating over adequate staffing, training and equipment to serve the public.

Elation in Ohio as anti-union bill is repealed

TOLEDO, Ohio – A controversial measure that would have ended collective bargaining rights in the state of Ohio was soundly voted down on Tuesday night in a huge victory for union workers. The Republican-backed law would have restricted the collective bargaining power of nearly 350,000 government workers.

“That’s a good indication of what the citizens of Ohio are saying about the radical language put out by some of the Republican legislators,” said Kevin Dalton, the president of the Toledo Federation of Teachers.

Opponents of the bill, known as Senate Bill 5, gathered to celebrate at the Teamsters Hall in Toledo. Last spring, 8,000 teachers, firefighters, police officers, and others unionized Ohio workers crowded into the state capital in Columbus to protest the passage of the law.

How to Rescue Education Reform

(…)

When it comes to education policy, the two of us represent different schools of thought. One of us, Linda Darling-Hammond, is an education school professor who advised the Obama administration’s transition team; the other, Rick Hess, has been a critic of school districts and schools of education. We disagree on much, including big issues like merit pay for teachers and the best strategies for school choice.

We agree, though, on what the federal government can do well. It should not micromanage schools, but should focus on the four functions it alone can perform.

First is encouraging transparency for school performance and spending. For all its flaws, No Child Left Behind’s main contribution is that it pushed states to measure and report achievement for all students annually. Without transparency, it’s tough for parents, voters and taxpayers to hold schools and public officials accountable. However, No Child Left Behind also let states use statistical gimmicks to report performance. Instead of the vague mandate of “adequate yearly progress,” federal financing should be conditioned on truth in advertising — on reliably describing achievement (or lack thereof) and spending. To track achievement, states should be required to link their assessments to the National Assessment of Educational Progress (or to adopt a similar multistate assessment). To shed light on equity and cost-effectiveness, states should be required to report school- and district-level spending; the resources students receive should be disclosed, not only their achievement.

Second is ensuring that basic constitutional protections are respected.  No Child Left Behind required states to “disaggregate” assessment results to illuminate how disadvantaged or vulnerable populations — like black and Hispanic students and children from poor families — were doing.  Enforcing civil rights laws and ensuring that dollars intended for low-income students and students with disabilities are spent accordingly have been parts of the Education Department’s mandate since its creation in 1979. But efforts to reduce inequities have too often led to onerous and counterproductive micromanagement.

Third is supporting basic research. While the private market can produce applied research that can be put to profitable use, it tends to underinvest in research that asks fundamental questions. When it comes to brain science, language acquisition or the impact of computer-assisted tutoring, federal financing for reliable research is essential.

Finally, there is value in voluntary, competitive federal grants that support innovation while providing political cover for school boards, union leaders and others to throw off anachronistic routines. The Obama administration’s $4.35 billion Race to the Top competition tried to do some of this, but it ended up demanding that winning states hire consultants to comply with a 19-point federal agenda, rather than truly innovate.

Beyond this list, the federal government is simply not well situated to make schools and teachers improve — no matter how much ambitious reformers wish it were otherwise. Under our system, dictates from Congress turn into gobbledygook as they travel from the Education Department to state education agencies and then to local school districts. Educators end up caught in a morass of prescriptions and prohibitions, bled of the initiative and energy that characterize effective schools.

Porque as medidas muito marcadas pela ideologia têm os seus limites…

Florida Budget Adds to School Spending

MIAMI — When Gov. Rick Scott rolled out his budget on Wednesday, it was to a group of reporters at a news conference at the Florida Capitol in a room packed with staff members, a far cry from the Tea Party crowd that cheered him on during his first budget announcement early this year.

The governor’s 2012 budget plan was no less a turnaround. Mr. Scott, whose popularity has tumbled this year, proposed $1 billion in new money for Florida schools despite a yawning budget deficit. Putting heft behind his words, he vowed to veto any budget bill that did not “significantly increase state education funding.”

“This is Floridians’ money,” the governor said when introducing his $66.4 billion budget, which would take effect July 1. “Increasing our commitment to education is vital.”

Rick Scott está longe de ser um esquerdista.

Por cá é que os exemplos escolhidos são sempre muito seleccionados e nem sempre registadas as alterações de trajecto. Há por aí mais estudos em preparação sobre reformas educativas. Gostaria de perceber até que ponto serão actualizados com casos menos agradáveis para a teorização prévia.

Have you lost trust in our exam system?

Examiners allegedly briefed teachers on exam content – tell us if you’ve ever been given a steer about what questions to expect.

Exam boards: Michael Gove orders inquiry over cheating revelations

Michael Gove, the Education Secretary, has called for a fundamental reform of the exams system after an investigation disclosed that exam boards gave teachers secret advice on how to improve their GCSE and A-level results.

Eurozone leaders line up against Cameron in battle to save euro

Sarkozy and Merkel ready to exclude UK from euro deal at Brussels summit if Cameron seeks to veto proposals.

Cargos públicos: Centenas de ‘tachos’ para dar

‘Troika’ exige concursos públicos, mas Governo ignora regra. Saúde e Segurança Social são os que têm mais vagas para oferecer.

O PS só reclama se, para meter novos, for preciso retirar a gamela aos que lá foram metidos desde 2005.

… as vezes que forem necessárias, mesmo quando não percebem apenas porque não querem.

As declarações conhecidas ontem do anterior PM sobre a forma como encara o que deve ser a gestão de um Estado só reforçam a minha convicção na enorme necessidade de o afastar do poder.

Sendo comum por aqui a crítica de certo quadrante comentarístico que eu fiz campanha pelo PSD e que agora os critico todos os dias, gostaria de reforçar a ideia de que não estou nada, mas mesmo nada, arrependido que o anterior governo tenha sido derrubado e substituído.

Foi pelo PSD que formou governo com o CDS? OK, não me choca. Era a opção que eu mais desejava? Não, como facilmente se pode depreender de ter sido um dos signatários iniciais, logo em 2009, de um manifesto pour uma solução governativa ampla à esquerda do PSD.

Mas fiquei triste com a vitória do PSD? Não, pois significava a derrota de um grupo de interesses público-privados que estava a levar o país para a completa bancarrota, enquanto os mesmos se banqueteavam com contratos blindados.

Isso não significa, muito pelo contrário, que ache que a governação do PSD/CDS me esteja a agradar ou que me diminua no direito de criticar o que acho errado. O mesmo sendo válido para a área da Educação, apesar de ter saudado a escolha de Nuno Crato para ministro e manter estima intelectual e pessoal pelo mesmo.

O que parece ser difícil de compreender para aqueles que acham que o monolitismo é uma virtude e a coerência passa por manter a crença nos poderes curativos das sangrias e sanguessugas é que se pode mudar de opinião ou posição sobre pessoas e organizações de acordo com os seus actos concretos e não como profissão de fé.

Repito de forma clara: se para afastar o engenheiro (com a sua concepção muito utilitária da gestão da res publica que agora ficou à vista de todos)  e os seus amigos do poder fosse necessário e indispensável votar no PSD, CDS, PCP, Bloco ou qualquer outra força partidária, essa seria a minha posição, como foi. Cada um deveria votar de acordo com o que achava ser melhor para afastar aquele PS (que se distingue muito pouco do actual como se vai percebendo) do poder executivo, mesmo que isso trouxesse uma aliança de centro-direita para o governo.

Essa solução governativa está a revelar-se inepta, acarneirada aos ventos rodopiantes europeus e submissa a alguns interesses instalados à mesa do orçamento,  quando a juventude muitos ministros indiciaria um vigor e ideias diferentes?

Então diz-se isso, exerce-se a crítica e, logo que possível, tenta contribuir-se para que siga o mesmo destino da anterior. Mas sem que isso, é bom que se perceba, signifique a absolvição e recuperação do passado recente.

Porque eu não concordo que o Estado não tenha rosto. Para além dos óbvios (Presidente da República, Presidente da Assembleia da República, Primeiro-Ministro, Presidentes daqueles Tribunais importantes que nem sempre gostam uns dos outros) há ainda as pessoas que são responsáveis por actos concretos da administração.

Eu sou responsável pelas minhas aulas. Se algo correr mal, sou eu que estou lá, que assino os sumários e que terei de prestar as devidas contas. O mesmo quando assino uma acta com a avaliação. Não gosto de me esconder atrás da (legal) co-responsabilização de todo o Conselho de Turma.

O mesmo para um médico, enfermeiro, juiz, chefia militar, etc.

Sabemos que há limites e imperfeições na responsabilização, mas tem vindo a ser estreitada a malha destinada a individualizar a responsabilidade em diversas funções.

Excepto naquelas em que o Estado aparece como se fosse uma máquina ex machina a funcionar. Muito habitual no fisco e em serviços cuja função seja captar o dinheiro dos contribuintes ou exigir obrigações financeiras (desde que não seja a empresas com contratos blindados por advogados que, ocasional e casualmente, já fizeram parte do aparelho de Estado).

Porque há sempre uma cadeia alimentar em que o de baixo se escusa com a ordem de cima, tendo sido um primor de execução, e o de cima se escusa com a má execução da ordem dada, que era perfeitinha.

No caso das recentes cartas da Segurança Social vem lá o nome de uma pessoa que – a menos que assine de cruz as coisas e deixe imprimir milhares de cartas com o seu nome – tem uma de duas obrigações: assumir a responsabilidade pela asneira ou, em tempo útil e célere, detectar onde a porca retorceu o rabo e agir em conformidade. Ou então declarar que só fez o que lhe mandaram a partir de mais alto.

Fazendo isso e dando-o a conhecer aos interessados (todos os que foram importunados com a incompetência e/ou inépcia), ganha-se transparência e credibilidade num tempo em que estas são valores de extremo luxo.

A menos que se considere que este tipo de exigência é coisa de crianças porque o Estado não tem rosto quando convém e a responsabilidade é apenas para os idiotas e mexilhões, é o mínimo que se pode exigir a quem queira merecer o respeito alheio.

Publicada originalmente na Casa Cláudia.

Ex-presidente israelita cumpre sete anos por violação

Moshe Katsav, ex-presidente israelita caído em desgraça, deu hoje entrada numa prisão de Tel Aviv para começar a cumprir uma sentença de sete anos por violação.

Apesar de ter sido dado como culpado pela violação de uma subordinada e por assédio sexual a outras duas, Katsav sempre insistiu na sua inocência e acusa o estado de estar a «executá-lo» em praça pública.

O político israelita desempenhou as funções cerimoniais de presidente de Israel até, em 2007, ter renunciado ao cargo que lhe teria dado imunidade e permitido escapar da prisão. Nessa altura, foi-lhe proposto um acordo que o teria afastado da cadeia, no entanto, optou não negociar e jurou que provaria a sua inocência.

Não chegou a alcançar esse objectivo e, em Novembro, o Supremo Tribunal israelita declarou-o culpado com unanimidade.

Seguro concorda com ausência de tolerância de ponto no Natal e fim-de-ano

A abstenção violenta continua feroz.

Esclarecimento aos Trabalhadores Independentes

Comunicação do posicionamento de escalão

Na sequência da informação divulgada a um conjunto de trabalhadores independentes foram detectadas algumas incorrecções, relativamente às quais cumpre esclarecer o seguinte:

1 – Os trabalhadores independentes que receberam comunicação para efectuar pagamento de contribuições no regime dos trabalhadores independentes e estão isentos por se encontrarem a descontar para outro regime de protecção social obrigatório como Caixa Geral de Aposentações, Fundo de Pensões da Banca ou outro, devem aguardar novo contacto da Segurança Social a rectificar a sua situação.

2 – Os trabalhadores independentes que receberam comunicação para pagamento de contribuições cujo rendimento relevante anual, em 2010, não ultrapassou 6 vezes o valor do Indexante dos Apoios Sociais (€ 2.515,32) e anteriormente não teve obrigação de contribuir para o regime dos trabalhadores independentes, devem aguardar novo contacto da Segurança Social a rectificar a sua situação.

3 – Os trabalhadores independentes produtores agrícolas, com subsídios de exploração, deverão solicitar reavaliação do rendimento relevante, através da minuta de reclamação, a qual deverá ser entregue nos serviços de atendimento da Segurança Social ou enviada para a seguinte morada:

Segurança Social – DIQC

Av. da República, nº 4 – 6º

1069-062 Lisboa

4 – Os trabalhadores independentes que detectaram divergências entre o valor a pagar inscrito no ofício/correio electrónico e o valor para pagamento no multibanco e/ou na Segurança Social Directa, deverão proceder ao pagamento da verba inscrita no multibanco e/ou na Segurança Social Directa e aguardar novo contacto para confirmação do seu Escalão.

Para qualquer outro esclarecimento neste âmbito poderá ligar para o VIA Segurança Social 808 266 266 (dias úteis das 8h00 às 20h00).

07/12/2011 – ISS, I.P.

Alguém, algum dia, se dignará explicar a origem do erro?

Alguém será responsabilizado por ele???

 

“Nas cortes celebradas em Lisboa no ano de 1646 declarou el-rei D. João IV que tomava a Virgem Nossa Senhora da Conceição por padroeira do Reino de Portugal, prometendo-lhe em seu nome, e dos seus sucessores, o tributo anual de 50 cruzados de ouro.”

Promessas.

[ aqui ]

.

Página seguinte »