Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2011


Yeah Yeah Yeahs, Date With the Night

Aluno de 10 anos agride, colegas, professores e funcionários, pais boicotam as aulas. Castelo Branco.

O problema deve ser da vitimização dos agredidos.

Nesta matéria há coisas fascinantes mesmo… No outro dia um crianço ainda mais novo do que este, enquanto esperava pelos papás saiu do portão da sua escola para vir empurrar colegas que passavam no passeio, só pelo gozo de fazer asneira impune. Dei por isso tarde, ainda era capaz de apanhar um susto… Ele, o crianço.

Ideia inicial minha com arte do Luís Guerreiro.

São três secretários cheios de ideias vazias, que não nos  trazem ouro nem o bom aroma do incenso, mas apenas o que nos mirra.

Conseguem identificá-los? São autores de algumas das declarações mais aparvalhadas dos últimos tempos, descontando o seu modelo relvas, seguro, o zorrinho, o engenheiro, os galambas, e etc.

Será que em 12 de Maio de 2011 o engenheiro José Sócrates ainda não tinha estudado sempre aquilo que agora sempre estudou?

Num debate televisivo, o líder do PS disse que a reestruturação da dívida seria um «calote aos credores», enquanto que o líder bloquista classificou a ajuda à Grécia como «tragédia económica».

É porque a blindagem está a funcionar. Quase…

Desde a tomada de posse, o Governo já criou vários «clubes de ideias», alguns dos quais já elaboraram os seus relatórios finais. Os mais famosos – alguns deles bastante polémicos – são os do Grupo Técnico para a Reforma Hospitalar, do Grupo de Estudo para a Internacionalização do País, do Grupo de Trabalho para a Definição do Serviço Público de Comunicação Social, do Grupo de Trabalho para a Redefinição da Rede de Transportes Públicos de Lisboa e Porto e da Estrutura de Acompanhamento dos Memorandos da Troika (ESAME).

Outros grupos menos badalados vão estudar questões como a utilização das bases aéreas militares pela aviação civil, o enquadramento legal do regime de voluntariado, a valorização do atleta português, a ação dos árbitros, o regime fiscal das sociedades desportivas, a atividade das amas ou a produção do vinho.

Sónia Sapage, “O Governo dos grupos”, Visão nº 979, p. 50.

Declaro-me fascinado com a questão da atividade das amas e desiludido por não ter sido convidado para participar até porque teria uma ideia interessante para, apenas com a prótese de uma consoante, alargar a área de estudo do grupo.

Espero, para além disso, que o grupo que vai estar o regime de voluntariado o faça em regime de voluntariado e anoto o brilhantismo da sigla ESAME.

E ainda dizem que o Estado está obeso…

Não me lembro de ver líderes de grupos parlamentares no activo a justificarem declarações de ex-líderes partidários…

José Sócrates disse em Paris, em Novembro, que “para pequenos países como Portugal e Espanha, pagar a dívida é uma ideia de criança”. Hoje, fonte próxima do ex-primeiro-ministro explicou ao PÚBLICO que Sócrates apenas se referia ao pagamento da dívida “por inteiro e imediatamente”.

Só falta dizerem que a filmagem é uma montagem e que o flato que deu a senhora da terceira fila não foi ela, fui eu.

Ou uma criança.

Foi aplaudido de pé e não apenas por galambas.

Mas tem uma enorme vantagem: ficou a saber-se na primeira pessoa o plano de sempre: pedir emprestado e não pagar.

Uma lição para todos nós.

Resta saber quem tem saudades desta forma de estar na vida e no Estado. Se calhar, muitos dos que, no seu dia-a-dia, até usam desta forma de chico-espertismo para abusar da confiança e dinheiro de terceiros.

Paulo,

Acabei de ler o post e acho de interesse referir o seguinte: o meu filho e outros amigos e colegas estão a receber um aviso semelhante (ontem e hoje) na sequência de uns poucos milhares de euros que receberam em 2010, utilizando recibos verdes. Há um caso de um rapaz que ganhou cerca de 1200€ e que é suposto pagar 190€/mês, estando sem trabalho e a viver à custa dos pais.

O meu filho, cheio de raiva, tem uma carta escrita para mandar à Segurança Social. Vai aqui a cópia. Um abraço.

Sra. D. Mariana Ribeiro Ferreira

(Presidente do Conselho Directivo)

Acabei de receber a vossa carta, que me deixou deveras estupefacto e sem saber como responder.

Sou um homem de quase 26 anos (Janeiro 2012).

Tenho uma licenciatura pré-Bolonha, ou seja, de 5 anos numa Universidade Pública.

Relativamente a 2010 declarei 6123€ de rendimentos de trabalho, valor então totalmente orientado para a minha formação (Mestrado). Por ser insuficiente, tive apoio familiar para completar esses gastos para além de me ter sido assegurada a minha subsistência.

Em 2011 auferi mensalmente entre Janeiro e Junho cerca de 300€.

Desde Setembro (se tudo correr bem até Junho 2012) estou a ganhar 450€ mensais. Deste valor pago:

– 200€ de renda de casa

– 100€ de gás, água, electricidade, telefone, etc.

– 33€ de passe social para trabalhar (valor que vai aumentar em Janeiro 2012)

– Restam 117€ para alimentação

– JÁ NÃO TENHO ACESSO a vestuário, calçado, saúde, cultura, desporto, lazer, etc.

Agradeço sugestões sobre como/onde/a quem ir buscar 186,13€/mês para pagar a Segurança Social.

Estou a tentar emigrar mas ainda não consegui.

Muito obrigado pela atenção!

Aguardo resposta.

Francisco (…)

 

Sócrates em Paris:

“Claro que não devemos deixar crescer a dívida muito, porque isso pesa depois sobre os encargos. Todavia, para um país como Portugal, é essencial financiamento para desenvolver a sua economia. É assim que eu vejo as coisas”, concluiu Sócrates. A palestra teve lugar a 3 de Novembro numa sala do campus universitário de Poitiers, cidade onde há um pólo da Sciences Po. Perante alunos da secção latino–americana, José Sócrates falou também sobre a crise europeia.

Zorrinho em Lisboa:

Nos próximos dias, em Bruxelas, os líderes europeus debaterão uma proposta conjunta de Merkel e Sarkozy, que prevê sanções para os estados membros da Zona Euro que não cumpram os limites do défice. A concretização dessa proposta poderá implicar a “constitucionalização” desses limites em cada um dos países.

“A reforma da Europa não deve ser a das sanções, mas sim a do crescimento económico”, acentuou o líder parlamentar socialista, admitindo que esse foi um dos temas tratados na reunião da bancada.

Finalmente, uma estratégia da liderança do PS para os próximos tempos. Não pagar a dívida contraída e assinada pelo anterior PM e usar esse dinheiro para financiar a economia… amiga?

É um estadista português de férias em Paris!

“Para pequenos países como Portugal e Espanha, pagar a dívida é uma ideia de criança. As dívidas dos Estados são por definição eternas. As dívidas gerem-se. Foi assim que eu estudei”, afirmou o ex-primeiro ministro José Sócrates, em Paris, citado pelo “Correio da Manhã”.

“É essencial para países como Portugal financiamento para desenvolver a sua economia. É assim que eu vejo as coisas”, acrescentou.

Só tenho uma dúvida… aprendeu isso no curso de engenheiro, numa espécie de MBA no isczé ou na cadeira independente de Calotice Técnica?

Faz-me lembrar outros casos. Um em particular.

A nomeação de Ana Manso para presidir à Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda apanhou hoje de surpresa o ex-presidente de Câmara e antigo gestor público José Biscaia que já tinha anunciado estar indigitado para ocupar o cargo.

A Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) anunciou hoje em nota de imprensa a nomeação de Ana Manso, antiga administradora hospitalar e deputada do PSD, para presidir ao conselho de administração da ULS da Guarda.

Em declarações à Agência Lusa, José Biscaia considera «uma atitude eticamente indevida» e sem «um mínimo de educação» não ter sido informado de que já não seria nomeado para o lugar.

Pelo menos o ex-autarca não escreveu um livro.

“Madeira não está comprometida com a ‘troika'”

Jardim diz não subscrever política do Governo da República por estar “amarrada” à ´troika’ e lembra que não assinou nenhum memorando.

Eu também não!

Mas, verdade se diga, também não recebi dinheiro para limpar e reconstruir parte da ilha e o usei para despesas correntes.

Porque é possível isto?

Porque, citando Vasco Pulido Valente, o contenente está cheio de gente politicamente capada, bastando para isso relembrar o episódio patético do perdoa-me que eu já te perdoei no congresso do PSD.

Algum dia saberemos quanto contribui o PSDM para o orçamento das campanhas do PSD nacional? Ou não contribui?

 

Portas acusa Estado de esconder esbulho fiscal

O líder do CDS, Paulo Portas critica duramente a proposta de se colocar na Internet os rendimentos dos contribuintes acusando  o PS de querer “a opacidade quanto ao esbulho fiscal de quem paga e transparência para quem trabalha”

Falando no encerramento das jornadas parlamentares do CDS, em Guimarães, lançou ainda ao Estado o repto de colocar na Internet o que deve aos particulares e às empresas e no Orçamento do Estado a “totalidade dos compromissos já assumidos e o que isso significa para as próximas gerações”.

 

CDS: Projecto relativo a recibos verdes foi chumbado

O projecto de resolução do CDS-PP que defende a revogação do artigo relativo aos recibos verdes no código contributivo foi hoje chumbado com os votos contra do PS, a abstenção do PSD e os votos favoráveis do PCP, BE e PEV.

O CDS-PP, que marcou um agendamento potestativo (direito dos grupos parlamentares a definirem a discussão no plenário) para apresentar o projecto, pretendia a reposição dos valores antes da entrada em vigor do novo Código Contributivo, recomendando ao governo a revogação do artigo relativo aos recibos verdes.

Para os democratas cristãos, mais de um milhão de portugueses a recibos verdes estão confrontados, a partir deste ano, com «um aumento em cascata das contribuições totalmente irrazoável».

Boa noite Paulo

 

A propósito do tema em assunto, eu imagino o que se está a passar…

Os organismos do estado comportam-se como náufragos… Não sabem mais a que se agarrar para arranjar forma de nos “acrescentarem impostos”; vai daí tudo serve.

Vou relatar-lhe uma situação que parece estar a acontecer com uma grande parte dos portugueses: quem pagou “fora de prazo” qualquer tipo de imposto (nem que seja de apenas um dia), está a ser notificado para pagar uma coima por incumprimento.

No caso do IUC a coima é de 15€; já recebi 3 nos últimos dois meses, relativas a 2008 e 2009. A perversidade de tudo isto reside no facto de, ao contrário do que era habitual (não ser possível o pagamento depois da data através do multibanco…) o pagamento por e-banking manteve-se ativo, e, portanto, ninguém estava à espera que o ESTADO (que é um excelente exemplo em termos de cumprimento de prazos de pagamento e pagamento de coimas/juros pelos seus atrasos) viesse com esta atitude arrogante perante pessoas a quem tem vindo a espoliar a capacidade de cumprimento de prazos. Pior quando se constata que os atrasos decorrem dos “timings” impostos pelos processos bancários de transferência/pagamento dos impostos.

No meio que me rodeia, ainda não encontrei ninguém este ano que não tenha sido notificado para pagar “coimas” por atrasos no pagamento de IUC.

Isto significa que, o dito ESTADO está agonizante, a pontos de não perceber que muitos dos incumprimentos decorrem da falta de cumprimento das obrigações do próprio ESTADO.

A revolta que sinto é enorme; tenho uma família de 5+1 elementos, a quem o estado trata como se de um único elemento fosse. A capacidade de cumprimento de prazos está cada vez mais dependente de quem nos paga e das dificuldades que cada vez são maiores (porquês os encargos aumentam e os proventos são reduzidos pelo próprio estado.

Ainda estou para ver o que vai acontecer com o IMI (porque ainda nada chegou); eu pergunto se não é violenta esta forma de tratar as pessoas (sim porque eu ainda não abdiquei de o ser, embora cada vez me sinta cada vez mais menos pessoa).

É uma vergonha o que se anda a passar com as SCUTS: se não ando sempre a controlar o que me vão cobrando, são cobradas passagens no mesmo pórtico com intervalos de apenas 1 minuto, cobram passagens com valores diferentes dos anunciados… e, quando reclamo, sou apenas reembolsado do diferencial dos valores cobrados em excesso (quando também me deviam pagar coimas, não acha?), mas quando aconteceu não pagar porque não estavam disponíveis os pagamentos no tempo disponível, vieram com ameaças de tribunais e penhoras se não pagasse o que eu quis pagar em tempo útil, acrescido das “despesas administrativas”.

Vivemos num país de ladrões em afoganço.

Pode postar, porque disto mesmo vou dar encaminhamento para a Procurador Geral da República, se é que não vou dar o meu tempo por perdido, ou, até, não vou passar a ter o estatuto de “gajo a ter o olho em cima”, como parece que está a acontecer com quem vai tendo a coragem de denunciar a cegueira e arrogância de um estado absolutamente cego. Eu tenho provas documentais do que estou a afirmar.

Abraço solidário

Guilherme Martins

Outro caso, de uma professora aposentada desde o início de 2010, sem qualquer actividade independente desde 2005. Detectaram um valor de 0€ anuais, mas tentam um esbulho mensal de 124€.

Há que pagar o leasing dos pópós alugados através de contratos blindados?

Será que Pedro Vespa Soares é daqueles que acham que um defunto só o é depois de requerer à administração a certificação do facto, devendo assinar o dito requerimento em caligrafia legível?

Não se poderão considerar gorduras os gastos com estas cartas de m€rd@?

Claro… o senhor ministro de nada sabe. Foram os serviços, esses malandros. Ou foi um erro informático!

A carta que em seguida apresento também foi recebida ontem e é curiosa porque, para um valor declarado de 5000€ num ano, com a mesma taxa contributiva, é pedido um pagamento mensal de 124€.

No meu caso, para um total inferior a 2000€ pedem 186€.

Ou é parvoíce acima de uma média já de si elevadíssima, ou então isto resulta dos restantes rendimentos declarados e, nesse caso, sabem que eu faço descontos através do meu salário mensal e que estou isento deste tipo de pagamento suplementar.

E, portanto, ou não cruzaram os dados ou cruzaram.

Ou então é apenas tentativa de esbulho dos distraídos. Ou incompetência.

Vindo de um ministério que tem à frente um elemento do CDS, aquele partido que, em termos paleozóicos era contra os abusos fiscais do Estado sobre os cidadãos.

… saber mais de economia do que elogiar o financiamento da economia com o dinheiro de fundos de pensões.

No sábado falava-se no Catroga para chairman de qualquer coisa. O que vai sobrando para Bessa?

É que vai elogiando quem está depois de não ter criticado quem estava. Um homem para as 5 estações do ano!

Daniel Bessa aplaude “círculo virtuoso” de financiamento da economia

Página seguinte »