Alfredo Marceneiro, A Casa da Mariquinhas

(não é dos mariquinhas, note-se, pelo contrário… como se percebe pelas tabuínhas…)