A boa nova é que o ofendido (neste caso, eu, o arguido) não tem de pagar pela abertura da instrução.