Quinta-feira, 20 de Outubro, 2011


Doismileoito, Quinta-Feira

Aconselho a leitura.

Pode ser que sejam outros apoios…

Os números estarão corretos?

Aluno espancado por um grupo de alunos fica em observação no hospital, escola Sebastião da Gama, Setúbal.

Olivais, escola Sarah Afonso,  pais acusam professora de ter agredido os filhos e ameaçam fazer justiça pelas próprias mãos.

Captura do momento em que o Zé de Armani e Socas chorava o desaparecimento de um amigo.

… ceifem com facilidade os professores que entenderem ser melhores ou mais adequados no sector público? Para além de outros argumentos antes usado, e apesar do alarido do Verão, têm 14 meses de salário para oferecer.

Depois da sistemática desmoralização simbólica e profissional feita por Maria de Lurdes Rodrigues, Valter Lemos e Jorge Pedreira, segue-se a terraplanagem salarial às mãos de Nuno Crato e dos outros que não nos lembramos bem quem são.

Portugueses entre os mais infelizes da OCDE

Um novo relatório da OCDE concluiu que os portugueses estão no ‘ top 3’ dos mais infelizes entre os 40 países estudados.

Deputados europeus portugueses “são bon vivants

“Os meus colegas portugueses são bon vivants, não há nenhuma reunião em que não brinquem, riam, bebam, comam e ouçam música”, disse ontem a francesa Rachida Dati na inauguração do novo centro cultural da Fundação Gulbenkian em Paris.

Mas a Rachida Dati precisa de alguma contextualização, para que se perceba a alegria dos pategos tugas que largamos pela Europa.

E que tal mudar de lentes?

… pois pode conduzir a estratégias pessoas ultra-defensivas e a uma paralisia causada pelo receio de arriscar seja o que for.

Despedimento de professores do quadro é inevitável, diz Fenprof

Será que o alargamento da escolaridade para 12 anos não permitirá uma expansão do Secundário que absorva parte do que se adivinha quererem tornar excedentário no Básico?

… já não sei se não faz um ligeiro sentido trocar isto pela manutenção dos subsídios, que é o que não surge na notícia. Manter os 14 meses de salário em troca do pagamento destas despesas.

A verdade é que agora toda a gente tem ideias… mesmo as que são completa e absolutamente inconstitucionais. Mas a Constituição já é um luxo nos tempos que correm…

Ferreira Leite: saúde e educação pagas por quem pode

(…)

Manuela Ferreira Leite não acredita que quando se fala em medidas temporárias «seja por dois ou três anos; devem ser muitos mais anos». Mas a austeridade «deve ser acompanhada com reformas» na estrutura do sector público e quem pode pagar por saúde e educação devia ser obrigado a fazê-lo, nem que seja durante dois ou três anos.

A ex-ministra das Finanças admite mesmo que as medidas de austeridade aumentem o risco de espiral recessiva.

A despesa que decorre dos serviços, «da má gestão», as chamadas «gorduras» – «essas não precisamos de estar em crise para as cortar». Está em causa um «problema moral, ético, de dinheiros públicos que não devem ser desperdiçados».

Não chega um professor trabalhar mais horas, para matar a fome a quem a tem.

« Les enfants ne laissent pas les problèmes de la maison à la porte de la classe ! »

Ao segundo dia, os manifestantes gregos atacam-se uns aos outros

A violência entre facções eclodiu na manifestação que decorre em Atenas contra um novo pacote de austeridade. Segundo as agências noticiosas, grupos de esquerda digladiam-se uns contra os outros munidos de bastões e de bombas incendiárias.

Man killed in Greek austerity protests – live

• 53-year-old construction worker dies in Athens

ETA anuncia tras 43 años el “cese definitivo” de la violencia terrorista

Na discussão em torno do desemprego docente há um tipo de argumento que me arrepia e que é o daquelas pessoas que afirmam que, por serem contratados, há professores que o não são por inteiro, mesmo quando asseguram essa função e tem habilitação profissional para a docência.

No fundo é o argumento com que me deparei há mais de uma década quando, ainda contratado mas já com uma década de trabalho e cerca de 35 de idade, era tratado como enteado por quase maçaricos com menos de uma mão cheia de anos de serviço e que, em virtude de se terem rapidamente efectivado em grupos disciplinares fofinhos, antes dos 30 anos de idade já estavam instalados e a olhar de forma sobranceira para quem estava do lado de fora.

E isso é inaceitável: profissionais habilitados e certificados para exercerem a docência, com anos de serviço no currículo, mesmo que nem sempre com horário completo e com intermitência, são tão ou mais professores do que aqueles que estão instalados ou que se assim sentiram muito cedo.

Um professor contratado com 10-12 anos de serviço é menos professor do que um professor do quadro com 5 ou 6 anos de exercício e a sorte de pertencer a um dos grupos disciplinares que teve a sorte de estar em expansão há alguns anos e permitiu entrada no quadro ao segundo ou terceiro ano de trabalho?

O que se passa agora é muito complicado, porque quem está fora é tratado como se nem professor fosse e quem está dentro sente ameaças em todo o lado. E isso inviabiliza muita coisa.

… não percebo bem o que resta que funcione como factor de união (construtiva ou destrutiva) para o tal país com quase 9 séculos de História. A selecção de futebol nos dias bons e caso ganhe à Bósnia. O resto… ficou em frangalhos.

No limbo

Ou não?

Directores da PSP aumentaram em segredo o seu salário

O Director-Nacional, os três Directores adjuntos e o Inspector Nacional da PSP aumentaram-se a si próprios já no ano passado, colocando-se logo no novo regime remuneratório da polícia, deixando para trás a esmagadora maioria do efectivo que não transitou para esta tabela, em vigor desde início do ano. Só para o “chefe” máximo foram mais de 800 euros mensais.

Aliás, tem-se notado como a Economia é quase tão exacta como a leitura do voo das aves e como os economistas são extremamente eficazes  nas suas previsões e nas soluções que propõem.

Bastonário dos Economistas diz que portugueses são culpados da austeridade

De onde podem surgir os próximos buracos orçamentais

Página seguinte »