Não tinha lido a notícia, pois foi no período que andei por fora, mas cheguei lá através de um post do Paulo. Então não é que os senhores directores – ou quem os representa – mal se reuniram com o secretário de Estado meteram logo a cauda entre o que sabemos e alijaram culpas para os mexilhões?

À saída do encontro, convocado de urgência, o presidente da associação, Adalmiro Botelho da Fonseca, manifestou-se convicto de que a lei foi cumprida.
“Analisámos todo o processo e ficou tudo esclarecido”, disse o dirigente, justificando: “Terão havido alguns equívocos na interpretação da lei, mas os normativos foram cumpridos” pelas escolas e pela Direcção-Geral de Recursos Humanos da Educação.
Os equívocos, prosseguiu, “foram da leitura da lei de quem concorreu e se sentiu lesado”.
Aldamiro Fonseca considerou que os professores “provavelmente não leram os normativos com a atenção devida”.

Pessoalmente sempre achei que algumas interpretações da nota da DGRHE estavam erradas mas a verdade é que quem começou logo  a fazer mais alarido foram os próprios senhores directores e agora atiram as culpas para os outros, depois do MEC lhes ter dado um correctivo público?

Sim, senhores, belos exemplos de liderança e mobilização!