Terça-feira, 13 de Setembro, 2011


Chico Buarque, Conversa de Botequim

São todos. E produzem relatórios. Que se comem.

2011, ano internacional do morcego!

Ou seja, vêm sempre atrasados esses geadas que vêem filmes made in urrs.

Maria Cavaco Silva está preocupada com os cortes na educação.

Câmara de Sintra oferece 45.900 manuais escolares

A autarquia de Sintra vai distribuir gratuitamente 45.900 manuais escolares a alunos do primeiro ciclo, numa iniciativa que visa diminuir os encargos das famílias com a educação, disse à Lusa o vice-presidente da câmara.

O Estatuto do Aluno vai ser revisto e prevê o reforço da autoridade dos professores, disse hoje à agência Lusa o secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar.

João Casanova Almeida sublinha que «é importante que esta mensagem corra porque tem estado arredada da sala de aula».

O governante considera essencial «que seja dado esse sinal à comunidade educativa», já que os professores «são a autoridade na sala de aula».

(…)

João Casanova Almeida diz que vai ser ponderado «o modelo de administração e gestão» para se perceber «se está adequado às necessidades das escolas», acrescentado que é desejo do ministério «mudar o diploma, no que respeita à direcção».

Finalmente, o secretário de Estado admitiu que será dada uma «atenção especial à questão» da liderança nas escolas porque ela vai estar no topo da concessão da autonomia, uma das apostas da Educação que será realizada de forma «gradual».

Privados aceitam valor proposto pelo Governo para contratos de associação

A Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo aceitou hoje o valor proposto pelo Ministério da Educação e Ciência para o financiamento das turmas nos colégios com contratos de associação. O protocolo assinado estabelece em que o financiamento do Estado será neste ano lectivo de 85,288 mil euros por turma. Mais cinco mil euros do que tinha sido decidido por Isabel Alçada. Até ao ano passado, o valor médio por turma era de 114 mil euros.

Discordo destes apoios-padrão, por turma, sem se saber quantos alunos tem cada turma, que remuneração média auferem os professores em cada estabelecimento de ensino, que pacote de actividades está incluído, etc, etc.

Nuno Crato diz que estudo da OCDE “esconde realidade” portuguesa

O ministro da Educação desvalorizou hoje os resultados de Portugal no relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE), no qual surge como o país com maior taxa de obtenção de diplomas do ensino secundário.

Fenprof considera resultados do relatório da OCDE uma “vigarice”

Não se esqueçam de fornecer os dados também aos xiitas.

… transformar as horas de escola em horas de apoio ao refeitório, para acompanhamento dos alunos durante as refeições?

Ao que parece, é, não interessa agora em que terra.

… contratar-se a filha do sub-director sem qualquer tempo de serviço?

É, pelo menos em terras que já foram de Narciso.

… floresce, contraria a crise e recomenda-se aos interessados:

Boa tarde a todos (as)

Para os (as ) eventuais interessados (as) informo que vão decorrer este ano (na linha dos anos anteriores) 3 cursos de formação especializada para professores (as), na FUNDAÇÃO BISSAYA BARRETO (Bencanta, Coimbra).

São os seguintes:

AMINISTRAÇÃO E  Gestão (Confere aos titulares a possibilidade de exercerem o cargo de Directores de Escola);

SUPERVISÃO PEDAGÓGICA

INSPECCÇÃO E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO.

Estes dois últimos são recomendávceis para quem quiser ser interveniente com outro rigor na avaliaçao dos professores.

Os cursos decorrem às sexta-feiras (depois das 17 horas) e aos sábados.

Paga-se inscrição e propinas.

Já funcionaram 4 cursos de  Administração (foi o que começou primeiro) ; dois de inspecção e 3 de Supervisão.

Os interessasdos (as) podem obter mais noticias na página do Instituto de Formação Bissaya Barreto…onde se encontram todas as informações nomeadamente sobre os curriculos dos módulos dos cursos.

As inscrições são aceites até final de SETEMBRO.

Podem divulgar nas vossas escolas ou renviar para colegas que possam estar interessados.

Um abraço do

Quase aposto que alguéns que não fariam formação tratuita ao sábado, agora a farão, bem paga.

Quem apresenta a oferta, faz bem… detectou um bom nicho de mercado, a explorar junto dos ambiciosos de estatuto.

Carta a um matemático pela salvação de uma fórmula

Ex.mo. Senhor Ministro da Educação,

Hesitei muito antes de arrumar, sob a forma de carta virtual, estas mal alinhadas palavras.

Quem lhe escreve com atrevimento é um mísero parolo de Viana. Professor vai para 16 anitos, depois de uma razoável dose de estudo, num percurso relativamente bem sucedido, com muitos exames e rigor docente, desde a primária, (já que adiantei um ano, à conta de uma professora rigorosa e acabei, por isso, a ter exame na 4ª classe, coisa rara em gente da minha idade – e não me fez mal nenhum).

(continua… com forte extensão e fundamentação)

Surge em caderno incluído no Público uma interessante publicação de 24 páginas com o nome O Mundo da Criança (série 2, nº 4) da responsabilidade da empresa Publicações Directas que tem a seguinte capa e a estrutura que a seguir exponho.

Desde já recomendo a leitura atenta da citação puxada para destaque da 1ª página, realçando desde já que não se refere a questões urbanísticas ou rurais.

  • 1 página para declarações de Júlia Azevedo do SIPE.
  • 2 páginas para uma entrevista a Mário Nogueira da Fenprof.
  • 2 páginas para uma entrevista a  João Dias da Silva da FNE.
  • 2 páginas para uma entrevista a Carlos Chagas do SINDEP.
  • 2 páginas para uma entrevista a António Avelãs do SPGL.
  • 2 páginas para uma entrevista a Manuela Azevedo do SPN.
  • 2 páginas para uma entrevista a Cristina Ferreira do STAAE (Sindicato dos Técnicos, Administrativos e Auxiliares de Educação, Sul e Regiões Autónomas (com um quarto e página de publicidade à organização).
  • 1 página para uma entrevista a António Loução do Sindicato dos professores da Região dos Açores.
  • 1 página para declarações de Rui Leite do Sindicato de Professores do Ensino Particular e Cooperativo com Contrato de Associação (incluindo publicidade ao sindicato no quarto final da página).
  • 2 páginas para uma entrevista a Eduardo Teixeira da Associação dos Profissionais Licenciados em Optometria com 1/4 mais meia página de publicidade à Associação).
  • 1 página com um texto da Sociedade Portuguesa de Saúde Escolar (com 1/4 de página de publicidade à Sociedade).
  • 1 página dedicada ao Museu das Crianças de Lisboa (com 1/4 de página de publicidade ao Museu).
  • 2 páginas dedicadas ao Externato Champagnat de Lisboa (com meia página de publicidade ao Externato).
  • Tem ainda uma página de ficha técnica (a 2) e uma página final (a 24) dedicada à Associação vencer o Autismo, com divulgação das suas palestras.

Sobre as crianças e o seu mundo, muito pouco.

Tanto trabalho para, no essencial, fazer passar a mensagem da primeira página, que depois é explicada no interior por Mário Nogueira e que consiste, no essencial, num apelo ao abandono de lutas corporativas ou profissionais em favor de uma frente global de luta contra o Mal.

Não, obrigado! Eu não tenho vergonha de ser professor, nem sinto incómodo em pertencer à minha classe profissional, à qual reconheço uma identidade própria e interesses específicos.

Lamento ter representantes que aparentemente se envergonham de uma coisa e não reconheçam as outras como legítimas.

Quanto ao essencial… os cro-magnons sobreviveram sem nada destas coisas e cá estamos (embora alguns ainda ao nível intelectual dos neandertais).

A parvoíce vai ao ponto de um tipo que apoia o encerramento de escolas com poucos alunos, elogiar retrospectivamente a sua antiga escola onde estavam todos desde a 1ª à 4ª classe.

Mas será que ele, para além da já conhecida escassa preocupação em verificar factos, se esquece do que diz de uma semana para a outra?

Agora nos comentários vejam lá em que trabalhos me metem, pelo que o melhor é dizer desde já que coiso e tal, não me responsabilizo por nada (assim como MST pelo rigor e coerência do que escreve e diz com o financiamento da Impresa).

“Novas Oportunidades” empurram Portugal para o sucesso

Estudo hoje divulgado conclui que, graças ao programa “Novas Oportunidades”, Portugal tem a maior taxa de obtenção de diplomas do final do ensino secundário (96%) da OCDE.

Não tenho quaisquer dúvidas sobre o sucesso quantitativo. O Governo de Sócrates, com a inestimável coordenação política de Maria de Lurdes Rodrigues/Valter Lemos e a execução do brilhante Luís Capucha, colocaram em prática um brilhante plano para diplomar todo o seu vivente no nosso país. Resta saber se isso resiste a um escrutínio que ultrapasse a constatação da certificação, coisa que não tiveram a coragem de fazer, excepto em estudos encomendados a gente segura de concluir o que deveria ser concluído.

Porque para isso dinheiro não faltou à ANQ.

Já para estudar a empregabilidade dos diplomados… e no que esta onda certificadora contribuiu para a economia nacional… nem que seja ao nível ultra-micro…

… desde logo questionando se foram apenas os professores do Secundário. Mas a seguir na peça lê-se que foram os professores do “1º ciclo do Secundário”.

E depois, maravilhosamente, descobre-se que o ano de referência que foi usado foi o de 2005!!! E se pensarmos quando foram (re)colhidos os dados e percebermos que coincide com o período em que foi decretado novo congelamento e a redução salarial talvez se entendam melhor certas coisas.

Say no more!

Salários dos professores aumentaram acima do PIB por habitante na última década

Os salários dos professores do ensino secundário em Portugal registaram na última década um aumento “claro” em percentagem do PIB por habitante, contrariando a tendência de “regressão” noutros países, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos(OCDE).

As Perspetivas da Educação 2011, um documento de 500 páginas apresentado hoje oficialmente em Paris pela OCDE, referem que Portugal, juntamente com a Dinamarca e a República Checa, está no grupo restrito de países onde o aumento dos salários em percentagem do PIB contrariou a tendência geral no espaço da OCDE, que foi de “regressão entre 2000 e 2009”.

Adotando o nível de salários em 2005 como índice de variação (índice 100), a OCDE mostra que o salário médio dos professores do primeiro ciclo do secundário (após 15 anos de carreira) em Portugal era inferior a 90 em 1995 e em 2000 mas subiu para o índice 109 em 2009.

Esta subida coloca Portugal acima da média do espaço da OCDE e em nono lugar na tabela de variação entre 28 países considerados.

O facto de eu estar a ganhar mais ou menos o mesmo do que há uma década que não incomode os estudos… Afinal não sou do “1º ciclo do Secundário” e tenho mais de 15 anos de serviço.

Agora resta saber se o actual poder político vai usar isto como arma de arremesso ou só alguns directores de jornais.

… é realmente um esforço digno de louvor. O que se percebe é que a nova elite já vem com os tiques todos da antiga.

Louvor por um mês de trabalho

A secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário, Isabel Leite, atribuiu um louvor a um adjunto do seu gabinete que exerceu funções apenas durante um mês. Em 30 dias, a governante assinou um despacho de nomeação e outro de cessação de funções.

E, claro, devemos escusar-nos a notar que o mês, sendo em pleno Verão, deve ter passado como um foguete, pois o trocadilho é demasiado óbvio.

O primeiro dia de aulas – Escola Secundária de Penafiel, Escola Secundária João da Silva Correia, Centro Escolar de Castro Verde e Escola Básica do Parque das Nações.

As escolas públicas podem não ter dinheiro para pagar o aumento do IVA na electricidade e do gás. As escolas do Parque Escolar e as escolas mais velhas serão as mais prejudicadas.
Passos Coelho diz que é necessário fazer cortes na educação,que os estabelecimentos de ensino terão de poupar, terão de usar racionalmente a energia e que há escolas da Parque Escolar com erros de concepção. Escolas podem ficar sem aquecimento.
A escola de Vimioso.

Abertura do ano lectivo, Passos Coelho e Nuno Crato inauguram centros escolares. Passos Coelho elogia o investimento nas escolas realizados pelas autarquias, critica a Parque Escolar e as Novas Oportunidades. Nuno Crato fala no combate ao facilitismo e pede maior empenho dos pais.

O trabalho de recolha e tratamento é do Calimero, eu limito-me a beneficiar dele.

2001/02. Arqueologia da Educação Sexual, num jornal em que eu só metia praticamente o bedelho no grafismo. O resto era trabalho de uma equipa dirigida pela Maria do Carmo e em que o Chico (já fora deste mundo) fazia de alma danada.

Página seguinte »