Eu tinha vaticinado 2000. Ora 1500 significam um pouco mais de 1% dos educadores e professores em exercício e 2,5% dos sindicalizados na Fenprof. Curiosamente deve ser, em termos absolutos, um número parecido ao da consulta online da FNE.

Curto, muito curto.

Deveria ser um motivo de reflexão, mas os tempos não andam para isso.

Cerca de 1.500 professores e educadores participaram no Plenário Nacional descentralizado promovido pela FENPROF e foram claros: a proposta sobre avaliação de desempenho dos docentes que o MEC apresentou no dia 6 de setembro não merece acordo! Quotas, implicações nos concursos, pulverização de menções de avaliação e falta de clareza em relação à avaliação interna e externa foram dos aspetos mais contestados pelos professores.

Como de costume, fica-se sem se saber como foram tomadas as decisões, se foi por unanimidade e aclamação ou se foi foi por clamação e unanimidade.

Podem sempre dizer que quem quisesse saber deveria ter ido. Mas quem foi a um dos plenários como sabe o que se passou nos restantes 19?

Vou esperar pela resposta do mafarrico de serviço aqui no blogue.