Alguém a referiu em comentários, atribuindo a autoria a uma eventual posição da FNE ou ao Ramiro Marques. Não fui verificar, para não ofender directamente ninguém pelo pensamento asinino.

Ao que consta, a ideia seria os professores aceitarem o congelamento salarial em troca da subida nos escalões da carreira. Ou seja, mudaríamos de escalão, mas ficaríamos a ganhar o mesmo.

Parece uma coisa na esteira daquelas do ministro Mota Soares. O espaço é o mesmo, mas leva o dobro das criancinhas.

Portantosssss… o pessoal ficava feliz com o simbolismo da progressão, nada ganhando com isso.

Mais complicado, ao subir, por exemplossssss, do actual 6º para o 7º escalão, manteria o índice salarial 245 e não ascenderia ao 272.

Muito inteligente. Em letra de lei então significaria a regressão salarial dos escalões da carreira.

Isto é o tipo de boa solução que só se aconselha aos outros.

Já agora poderiam oferecer-nos medalhas por cada ano de congelamento, que usaríamos na lapela nos momentos solenes da vida escolar, como conselhos de turma, reuniões gerais, reuniões com EE e idas ao WC.

Brilhante, numa perspectiva miserabilístico-albanesa.