Estado paga 500 mil euros a patrões e sindicatos por reuniões de concertação social

(…)
A rádio Renascença revela que a verba em causa está inscrita nos Orçamentos do Estado e serve para “apoiar o trabalho técnico exigido na preparação dos encontros, onde além do Governo participam quatro confederações e duas centrais sindicais.”

A cada três meses as confederações recebem 20.544 euros, e os sindicatos arrecadam 24.653 euros, adianta a Renascença.

Talvez por isso eles tanto gostem de discordar uns dos outros.

Mas à mesa.