Sexta-feira, 2 de Setembro, 2011


Lana Del Rey, Video Games

Sugestão da Maria João.

Faz falta na vida real. Para certificar tantos praticantes que andam por aí.

Governo quer poupar 507 milhões na Educação em 2012

Escolas com mais de 21 alunos em risco de fechar

Ministério da Educação prepara acordo com as autarquias. Critério é a proximidade a um centro escolar novo

Já aqui no blogue se tinha noticiado a iniciativa de um grupo de professores contratados e desempregados fazerem um protesto a 10 de Setembro. Como em outros tempos, vêm daí os chefes da luta e marcam outra coisa parecida para 16 de Setembro. Pronto, são iniciativas complementares… a diversidade…

Nuno Crato na capa da “Única”

A primeira grande entrevista do novo ministro da Educação é o tema de capa da Única de 3 de setembro.

É online. Aceita não sócios.

Ou será apenas do olhar?

… está em preparação uma reportagem sobre alunos com dificuldades em obter vagas nas escolas públicas. Se alguém quiser dar o seu testemunho, mande o contacto para o meu mail que eu reencaminho para a jornalista.

Contestação ao Governo arranca com professores

Os dois principais sindicatos do sector endurecem o discurso e dizem não assinar o acordo caso o ministério mantenha alguns pontos da avaliação.

As negociações entre Nuno Crato e os sindicatos sobre a avaliação de desempenho docente não estão num bom caminho para chegar a acordo, no próximo dia 9 de Setembro. Ontem, um dia antes de entregar um parecer sobre a segunda proposta do ministério da Educação e Ciência (MEC), os professores asseguram que não vão assinar acordo caso o ministério não recue em, pelo menos, três questões: a manutenção das quotas, as cinco menções para notas e a implicação das classificações nos concursos.

Concordo com a não assinatura. Como já concordaria em Janeiro de 2010 quando assinaram um acordo onde tudo isto se encontrava, em particular as quotas e as menções. As implicações nos concursos são omissas e estão no decreto-lei 51/2009, não na legislação que regulamenta a ADD.

Continuo a perguntar, mais de um ano e meio depois, o que levou àquela assinatura apressada? Quando não havia troika, nem coiso.

O que terá sido? 😉

Aventar:

A golpada

Portadaloja:

Lello e os seus irmãos

De Vítor Gaspar, agora mesmo, na Comissão Parlamentar, na discussão sobre a situação financeira. Podemos desgostar das medidas, mas a forma como colocou no bolso os armados em giros deputados do PS João Galamba e Pedro Marques foi magistral.

não posso comprar o DN, vou estar a apanhar amêndoas nos jardins de pedra. Depois contam-me como foi?

Estado paga 500 mil euros a patrões e sindicatos por reuniões de concertação social

(…)
A rádio Renascença revela que a verba em causa está inscrita nos Orçamentos do Estado e serve para “apoiar o trabalho técnico exigido na preparação dos encontros, onde além do Governo participam quatro confederações e duas centrais sindicais.”

A cada três meses as confederações recebem 20.544 euros, e os sindicatos arrecadam 24.653 euros, adianta a Renascença.

Talvez por isso eles tanto gostem de discordar uns dos outros.

Mas à mesa.

… à moda dos outros.

Educação: Extintas direções regionais, transição para “estruturas simplificadas” até fim 2012

Excerto de um mail interessante:

Após consternação quase geral na DREC (a comecar pela ex-DRque teve de transmitir aos docentes a noticia ao final da tarde de 4ª feira), pois os “dispensados”, ao que parece, até eram competentes (bons profissionais, mestrados e com formações complementares, experiência de escola como docentes e alguns em cargos de gestão,), hoje já houve um pedido de demisão de uma chefia intermédia e um dos “dispensados” também já “regressou”… motivo: algumas centenas de processos jurídicos foram parar à secretaria da nova directora por não existir quem representasse o ME…

Creches passam a ter 18 miúdos dos dois aos três anos em 34 metros quadrados

As crianças dos dois aos três anos vão ter menos espaço nas creches. Se a sala acolher até 16 meninos, terá de haver dois metros quadrados por cada um. Se acolher mais um ou dois, só se exigirá mais um metro por cada um.

Como dizer o silêncio?

Se em folhagem de poema
me catais anacolutos
é vossa a fraude. A gema
não desce a sons prostitutos.

O saltério, diletante,
fere a Musa com um jasmim?
Só daí para diante
da busca estará o fim.

Aberta a porta selada,
sou pensada já não penso.
Se a Musa fica calada
como dizer o silêncio?

Atirar pérola a porco?
Não me queimo na parábola.
Em mãos que brincam com o fogo
é que eu não ponho a espada.

Dos confins, o peristilo
calo com pontas de fogo,
e desse casto sigilo
versos são só desafogo.

E também para que me lembrem
deixo-os no mercado negro,
que neles glórias se vendem
e eu não sou só desapego.

Raiz de Deus entre os dentes,
aí, pára a transmissão.
Ultra-sons dessas nascentes
só aves entenderão.

[Natália Correia]