Quinta-feira, 25 de Agosto, 2011


The Avalanches, Frontier Psychiatrist

A necessidade de cortar para encaixar. Amanhã, artigo de opinião no semanário Sol:

ADD: Um Simulacro de Existência

Publicarei por aqui, em devido tempo, a versão mais adjectivada e menos depurada.

Cá é exactamente ao contrário em termos socioeconómicos, mas é a beleza dos paradoxos:

Terry Moe, Schools, Vouchers, and the American Public, pp. 2-3.

Tirando umas picadelas, uns ecos, coisa pouca, o(s) Reitor(es) anda(ão) muito calado(s) com o desempenho do PSD em matéria de Educação. Estará(ão) de acordo com o simplex 3? Ou embaraçados?

Esta é mesmo uma muito private joke. Confesso, há muito tempo que não ouvia alguém rir-se tanto com um disparate daqueles que me saem de vez em quando.

R-E-S-P-E-C-T.

Interessa, porque os cotas pagam mais do que os outros na nossa colectividade.

… conseguido hoje pela POMPA (Plataforma Organizativa dos Melões Portugueses e Aparentados), após duras negociações com a TRETA (Tendência Renovadora e Estrumada da Terra Agrícola): a partir da próxima temporada, os melões passarão a crescer sobre a terra e não debaixo dela, numa estratégia que visa a dignificação desta variedade de cucurbitáceas, tão maltratada durante os últimos anos em que as negociações com a ECA (Entidade Colectiva Agrícola) não obtiveram os resultados desejados.

Página seguinte »