Sexta-feira, 12 de Agosto, 2011


Ainda no dia 12.

Eis: ADD – 12 de Agosto.

Então, comunicação social, acabou-se a Albina-A-Velha?

B’52’s, Girl From Ipanema Goes To Greenland

Os lampiões encostaram logo ao arrancar e o Artur foi dos melhores em campo. Ai Jajus!

Começo a duvidar. E o descrédito instala-se mesmo se, tecnicamente, ainda faltam mais de 90 minutos para acabar o dia 12.

… o melhor é ir pensando em jantar. Parece que a obra só chegará a caminho da sobremesa ou em plena digestão, o que vai sendo hábito em matéria de divulgações. O que pode ser contraproducente, embora se apanhe o pessoal mais bem disposto do que se estiver com fome.

Cá para mim colocam quando o Benfica já estiver a jogar…

(este post foi escrito directamente sem revisão de nenhuma autoridade linguística)

Assunto:

Funcionamento das ofertas de dupla certificação de adultos (cursos EFA e formações modulares) nas escolas públicas

Dirigido a:

Todas as Escolas Públicas

Serviço de origem:

Direcção

Data:

08/08/2011

Exmo.(a) Sr.(a) Director(a)/ Presidente da Comissão Administrativa Provisória

Solicita-nos a ANQ que informemos, na sequência das orientações de Sua Excelência a Secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário, que a abertura de novas turmas de cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e de Formações Modulares Certificadas nos estabelecimentos de ensino público, para o próximo ano lectivo (2011/2012), aguarda a conclusão do processo de colocação de professores e ajustamentos normativos nestas modalidades de educação e formação, designadamente a alteração da Portaria nº 711/2010, de 17 de Agosto.

Atempadamente serão dadas as orientações necessárias sobre as candidaturas a financiamento e abertura de novas turmas.

Com os melhores cumprimentos,

A Directora Regional Adjunta

Maria do Céu Beirão

Braga de Macedo deve ficar à frente da AICEP e do IAPMEI

Então o melhor é mesmo darem-lhe a independência. Ficaríamos com zero derrapagens.

Derrapagem de 277 milhões da Madeira “não é novidade”

Alberto João Jardim considera que o desequilíbrio poderia ser menor “se fosse mais ampla a autonomia política” da Região.

Em especial quando feitas por quem não me lembro de ver pelas escolas a espalhar o saber que se lhe reconhece. É o caso de Carlos Reis, hoje no Público:

Quando isso acontecer, talvez se atente na relevância de componentes tão decisivos como os professores e a sua formação – uma outra formação, aliviada do peso atrofiante das ciências da educação, que disso temos que sobre. Com o devido respeito, formulo uma pergunta que talvez pareça provocatória: os professores de Português sabem português com a profundidade que se exige a quem ensina? Estudaram devidamente o idioma, a sua história, os seus cambiantes socioletais e as suas variações geolinguísticas? Dominam a gramática da língua e a sua terminologia? Conhecem os escritores que têm feito do português um grande idioma de cultura? Leram Sá de Miranda, Herculano, Camilo, Cesário Verde, Machado de Assis, Carlos de Oliveira, Agustina ou Luandino Vieira? Distinguem-nos dos pífios escritores da moda “consagrados” em livros escolares pouco criteriosos? Dispõem de instrumentos e de disposição para indagações linguísticas e literárias que vão além das banais ferramentas da Internet? As perguntas são embaraçosas, mas têm que ser feitas, mesmo sabendo-se que há exceções ao que temo seja a regra.

Bem sei: faltam as condições, o tempo e os recursos para tanto. Em parte, é verdade e o poder político deve estar consciente disso. Mas em parte também (em grandíssima parte) o problema tem uma origem, que é o modo como têm sido formados os professores de Português – e certamente os de outras disciplinas. Atenção: nesta triste história, eles são sobretudo vítimas e não tanto responsáveis. Estes encontram-se no pessoal político que, sem remorso que se perceba, determinou a criação de uma rede de ensino superior em função de pressões de circunstância, com dois subsistemas que competem entre si em vez de se complementarem, onde lecionam docentes não raro doutorados à pressão, com escolas de formação de professores colonizadas pelas ciências da educação e com universidades que sem pudor se deixaram “politecnizar” .

Pelo que se sabe, vem aí uma reformulação da avaliação de professores. É esta uma excelente oportunidade para se começar a separar o trigo do joio e a dar sinais claríssimos às escolas e às faculdades de onde saem os professores de Português. E a sugestão, não sendo por certo politicamente correta, é simples: que se deixe para segundo e subalterno plano a parafernália das estratégias, das planificações, das competências e das metas e que se avalie o professor de Português sobretudo em função de uma singela pergunta que é paráfrase daquela que um dia alguém endereçou ao jovem Eça: sabe ele o seu português? Se a resposta for afirmativa, o resto virá por acréscimo.

Não consigo perceber bem a relação entre a ADD e as faculdades que formam professores de Português (no meu caso é de Língua Portuguesa, mas é detalhe, já sei), mas certamente será porque me falta distinguir João de Barros (o renascentista) de João de Barros (o republicano), D. Francisco Manuel de Melo de Rodrigues dos Santos, o Cavaleiro de Oliveira de Margarida Rebelo Pinto ou mesmo Mia Couto de um qualquer argumentista dos Morangos com Açúcar.

Sou professor de Língua Portuguesa (não de Português, mas isso é um detalhe), embora formado em História. Estudei muito do que Carlos Reis enuncia por prazer e não por obrigação, li aqueles e outros autores por deleite e não por dever. Não fui certificado por nenhuma Faculdade Honorável da Linguística Nacional, mas não m’avergonho do que faço e não é por isso que acho que partes do programa (erradamente designado, acho, mas que sei eu, professor não certificado na origem?) de Português do Ensino Básico resultam do árduo trabalho de quem nunca ensinou a crianças de 8, 10, 12 anos, mesmo mais, os rudimentos da estrutura da língua que usam, materna ou não, para comunicar.

Adenda: ainda hoje espero que quem comentou como “Seneste post cumprisse as ameaças então feitas. Pareceu-me que a pessoa em causa, com a coragem que o anonimato por vezes transmite, representou a faceta arrogante e mais trauliteira da postura de que Carlos Reis é uma face ligeiramente mais suavizada.

———- Mensagem encaminhada ———-
De: <DGRHE.MEducacao@dgrhe.min-edu.pt>
Data: 12 de agosto de 2011 16:04
Assunto: ICL2+NT
Para:

Exmo.(a) Senhor(a)
Director(a),

Encontra-se, de novo, disponível a aplicação de indicação de componente lectiva das 10:00 horas de dia 12 de Agosto às 18:00 horas de dia 17 de Agosto de 2011 de Portugal Continental para que as escolas possam indicar a intenção de renovação para docentes contratados ou alterar a componente lectiva de docentes de carreira de “Não” para “Sim” ou de “Não Aplicável” para “Sim”.

Mais se comunica, que simultaneamente, se encontra também disponível, a aplicação das Necessidades Transitórias (pedido de horários) durante o mesmo período.

Mais informo V. Exa. , que para esclarecimentos adicionais deverão ler atentamente a Nota Informativa sobre estas duas aplicações electrónicas,  que se encontra na página da Direcção Geral dos Recursos Humanos da Educação, em www.dgrhe.min-edu.pt e que poderão aceder à aplicação e-concurso,  destinada ao esclarecimento de dúvidas.

Importa ainda reforçar a ideia do correcto preenchimento das necessidades transitórias, que devem corresponder estritamente às necessidades efectivas do Agrupamento de Escolas/ Escola não Agrupada e que as necessidades a pedir no grupo de recrutamento 240, devem ter em linha de conta a manutenção de regime do par pedagógico, no modelo de docência de E.V.T.
Com os melhores cumprimentos,

O Director Geral dos Recursos Humanos da Educação
Mário Agostinho Alves Pereira

Para quando uma auditoria – ou no mínimo uma exposição devidamente detalhada – dos desvios, buracos, omissões e outras confusões nas contas públicas nacionais?

Governo vai cobrir despesas com BPN e Madeira com fundo de pensões dos bancários

O Governo vai proceder à transferência para a esfera do Estado do fundo de pensões dos bancários, de modo a cobrir despesas inesperadas de quase 600 milhões com o BPN e a Madeira.

… e daquelas coisas manhosas que serviram para pagar a professores de cursos como aqueles que agora só abrem com verbas comunitárias?

Troika: Houve desvios “para pagar salários de professores”

Jurgen Kroeger explicou esta manhã onde foram detectados desvios que levaram a que fossem necessárias novas medidas para conseguir atingir as metas traçadas.

Jurgen Kroeger, da Comissão Europeia, explicou esta manhã onde foram detectados desvios que levaram a que fossem necessárias novas medidas para conseguir atingir as metas traçadas com a troika. Uma das razões foi um desvio de fundos estruturais para “pagar salários de professores”.

“Observámos alguns problemas” afirmou, especificando: “houve uma sobrestimação das receitas no sector da justiça, e nos dividendos” e “alguns dos fundos foram desviados para pagar salários de professores”, adiantou.

O responsável da Comissão Europeia admitiu que parte da “responsabilidade [dos desvios] é do Governo”, mas também “houve um aumento da despesa significativo nos salários dos funcionários públicos”, destacando os gastos que se registaram com as progressões dos militares e das forças de segurança. Progressões essas que foram hoje congeladas.

Jurgen Kroeger adiantou ainda outros “casos especiais”, como “a Madeira” e a “privatização do BPN”.

A notícia é interessante porque não apresenta os encargos dos vários desvios e menoriza o do BPN que será, certamente, muitas vezes superior ao dos professores.

Governo antecipa aumento do IVA na electricidade e gás

O IVA na electricidade e no gás vai passar já no último trimestre da taxa reduzida de seis por cento para a taxa normal de 23 por cento, anunciou o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, numa curta declaração esta manhã.

No Público. São 297.

Paulo Futre inspira filme pornográfico

‘Sócia… Estou Aqui Entesadíssimo’ é o nome do filme para adultos inspirado na mais falada conferência de imprensa que Paulo Futre deu durante a corrida à presidência do Sporting. Disponível desde 27 de Julho, o filme, produzido pela Hot Gold, já está no top de vendas.

Página seguinte »