Escrito originalmente em 1950:

O Português gosta de fazer projectos vagos, castelo no ar que não pensa realizar. Mas no seu íntimo alberga uma certa esperança de que as coisas aconteçam milagrosamente.

O divertido é que – e esta acrescento eu – o Português que concorda com isto tem tendência a achar que são apenas os outros que são Portugueses e ele a excepção. Tanto maior excepção quanto nada faz, por vezes nem os castelos no ar, espera que até isso façam por si.

E sim, tenho espelhos em casa.