Segunda-feira, 25 de Julho, 2011


He!, quero dormir, a sesta foi caótica.

New York Pony Club, Ice Cream

Bom dia Paulo Guinote,

Primeiro quero aproveitar para  agradecer o seu blog e a forma empenhada com que o gere. Tem-me sido muito útil pela sua diversidade de conteúdos.

Agradeço também  a todos os seus comentadores, uns porque me informam e tiram dúvidas, outros me libertam do stress, quando dou umas boas risadas com os seus “desabafos”. Isso também é muito importante, quer uns gostem, quer não. Informa, diverte, partilha e discute-se pontos de vista. Para mim é excelente e por isso diariamente o frequento.

Quanto ao motivo deste contacto, agradecia que publicasse este meu assunto, pois creio que não surgiu  ainda um tal procedimento aplicado à atribuição da nota final da avaliação.

É o seguinte:

Tive aulas assistidas.

Tudo decorreu não digo normal, porque em vez dos 45m, o avaliador esteve as manhãs inteiras a assistir à aula, foi várias vezes visitar o meu dossier da sala, ao que chamam porta folhas,  fazendo grandes elogios e queria tirar ideias, etc. Não sei se era para se justificar ou não, mas não atribui importância, porque simplesmente foi aulas normais que sempre dei e que constavam nos meus planos. Não fez como manda o regulamento mas com quis. Hoje interrogo-me se deveria ter reagido ou não. Ao longo de todo o tempo dizia que realmente merecia o muito bom porque não havia nada a apontar, estava tudo em ordem. Mas não sabia se podia dar essa nota, pois não tinha poder.

O passo seguinte foi a discussão da nota e tomada de conhecimento. Embora não concordasse porque a nota atribuída é quase à tangente e eu cumpri tudo à risca, não por ser avaliada mas porque felizmente, adoro o que faço. Põe exemplo, na avaliação anterior não tive aulas assistidas e a nota final só teve menos 0,3. Mas isso não discutiu, assinei e fiquei a aguardar.

Quando um dia a relatora me chama, dizendo que queria falar comigo mas a sós e fora da escola. E diz-me que a Directora não concordou com a nota e por teve de a baixar. Diz-me a razão, a qual não vou descrever aqui, mas só digo que é terrivelmente feio, imoral, tudo o que se pode imaginar de maléfico e abusivo. É como que alguém nos quisesse transformar o âmago da nossa natureza para a satisfação dos seus caprichos. Eu só comparo com pedofilia. Sei lá.

É evidente que só pensar nisso, fico perturbada. Respondi o que tinha isso a ver com o meu despenho profissional. Mas… Isto foi dito às 19h30, quando terminamos o trabalho no Agrupamento, vim para casa pensar pois, o que fazer. Sem documento escrito, véspera das minhas férias, elas todas a fugir e a evitar as minhas questões, a tudo-nada sabiam… Vou por acaso à secretaria e peço o registo da minha avaliação e verifico então este documento que lhe envio. A nota atribuída é de 8,3 e o júri reúne para me atribuir 7,9, referindo que posso melhorar o envolvimento e participação na escola.

Mas como? Cumpri à risca o PAA, não dei uma única falta, participei no que devia e nem por isso.  É formidável!

As minhas questões são:

1º Se eu não reclamei da nota que me foi atribuída, é legal o júri por sua auto recreação ser ele próprio a reclamá-la?

2º Se eu discordasse da nota, teria de reclamar ao Júri, mas ele antecipou-se à minha revelia, o que posso fazer agora quando o tempo urge?

A relatora disse-me que tudo estava em ordem em relação ao meu desempenho na altura da discussão e ali está escrito que tenho de melhorar o meu empenhamento na escola e no Agrupamento, neste mesmo dia que estou de férias e encontro-me no Agrupamento para uma reunião convocada e a terminar o relatório de Avaliação do PAA?

Acreditem, não é a nota, nem pensar, que me faz doer, aliás, como Paulo também sou graduada bem acima da média e não o fiz por causa do fosse que fosse mas para me tornar mais competente e é isso que procuro cada dia. Mas o ajuste de contas mascarado de “falta de envolvimento e participação na escola e agrupamento”.

Estou mesmo muito desiludida. Não fiquei a mesma. Confesso que me mudou por dentro, perdi um grande pedaço da confiança e credibilidade no ser humano. Ao que chega a falta de escrúpulo humano.

Obrigada a todos,

P. Alves

Nuno Crato acredita que novo modelo de avaliação de professores será bem recebido

O ministro da Educação, Nuno Crato, vai apresentar o novo modelo de avaliação aos sindicatos na próxima sexta-feira, disse à Lusa, manifestando-se convicto de que o mesmo “será bem recebido”.

Quem está há anos contra esta ADD não deveria ter uma proposta mais concreta do que querer apenas um modelo que seja formativo, fofinho e fon-fon-fon?

Segundo a TVI, a educação vai ser uma das pastas mais afectadas pelos cortes no cargos de chefia, 77 cargos serão eliminados, segundo Nuno Crato, é preciso fazer “mais com menos”
Os ministérios que serão afectados segundo as recomendações do governo anterior.

Página seguinte »