Menos 800 milhões de euros. As medidas de austeridade no Ministério de Educação vão levar ao corte de 2700 postos de trabalho, principalmente auxiliares educativos do pré-escolar e do primeiro ciclo.  Autarquias queixam-se dos custos de manutenção do parque escolar, dos gastos com os transportes e dos apoios às crianças com necessidades educativas especiais.