O que em seguida chegou, chegou a partir de dentro. Não sou professor classificador, não assinei qualquer compromisso de confidencialidade quanto a este material. Pelo que o divulgo. Acho serem elementos de interesse público.

O que está em causa é, na minha opinião de não especialista, falta de profissionalismo ou de conhecimentos, ou qualquer outra coisa. E é um exemplo de como não podem ser feitos exames com critérios que mudam a cada sessão ou a cada dia/semana de classificação.

Isto acontece nas provas de aferição, mas não com esta dimensão. E uma coisa é corrigir detalhes, outra duas folhas de alterações aos critérios de classificação. Assim, o GAVE coloca-se demasiado a jeito.

Ora viva

O documento que vai em anexo contém uma série de indicações que acrescentam critérios de avaliação aos que já existiam no documento inicial. Só há uma particularidade: este documento do GAVE só foi divulgado aos professores classificadores. Em bom rigor, este documento deveria ser tornado público, tendo em conta que seria útil a quem quisesse apresentar recurso. Ele há coisas muito subterrâneas.

(…)

Abraço