… de que tudo isto é frágil, tudo isto depende de acertos nos critérios de classificação, nem sequer da prova. Tudo isto é político, tudo isto é fado.

O mesmo já não se passou com o director do Gabinete de Avaliação Educacional (Gave), Helder de Sousa. No Ministério da Educação coube-lhe este ano comentar os resultados. Em resposta a questões do PÚBLICO considerou que estes “reflectem o ajustamento do nível de exigência, concretizado numa acrescida complexidade de alguns dos itens e na continuação da procura de um maior rigor na definição e também na aplicação dos critérios de classificação”.