Há demasiados intelectuais que legitimam o que nunca devia ser legitimado: o assassínio de massas. Intelectuais que subordinam a distinção entre bem e mal aos dogmas da sua ideologia política. Intelectuais que fazem grande ruído verbal mas não propõem nenhum discernimento da realidade e reduzem-na simplesmente à sua nemésis, impregnada de ressentimento. Esta é a traição dos intelectuais, mas a história do século XDX mostra que, infelizmente, isto também não é novo.

Rob Riemen, Nobreza de Espírito, pp. 95-96.