Segunda-feira, 4 de Julho, 2011


Nick Cave & the Bad Seeds, More News From Nowhere

O Gualter está de volta, na TVI24.

Ele deu-se ao trabalho, é só espreitar. Seleccionei só a parte 2:

Nuno Crato fala sobre medidas prioritárias no ensino

Confesso que tenho preconceitos, porque me parece um bocado zanga de comadres, mas… o público exige.

Cartada de outro naipe. Pouco nobre.

“Fusão de escolas deve ser também reavaliada”

João Dias da Silva, Secretário-geral da Federação Nacional da Educação, fala sobre reavaliação do fecho de escolas

Leia-se uma cornucópia cheia daquele creme branco que dizem que faz muito castrol antes de ir para o estúdio.

O que é preciso tomar para ouvir certas coisa, do tipo “calem-se professores!” e na ilha do Corvo há 300 habitantes e 1q0 ou 12 professores.

Sobre o encerramento de escolas ou assim. Vamos lá a ver se tenho sorte com o amável público, por regra muito agreste.

Perdi o autor da foto, há que o determinar de novo.

No dia em que tentarem eliminar um punhado de câmaras, temos Patuleia e Maria da Fonte. Em especial a norte do Mondego.

Governo vai cortar entre mil e 1500 freguesias

(…)

O governo pretende cortar entre mil e 1500 freguesias no país na reestruturação da administração local que vai levar a cabo, apurou o i. Porém, o PSD deve evitar mexer no número de municípios, um ponto mais sensível e que ficou em cima da mesa depois da passagem da troika por Portugal. O Memorando de entendimento entre Portugal, Bruxelas e o FMI prevê a redução significativa do número de câmara municipais e juntas de freguesia até Julho de 2012. No seu programa, o PSD é muito mais moderado.

Arranjem outros exemplos: os EUA estão em decadência há muito tempo nos PISA e mesmo o Reino Unido está a reconfigurar o seu sistema de ensino. Se querem fazer comparações deste tipo, à China juntem os chamados tigres asiáticos.

Mas não vão gostar, porque lá não se brinca às escolas.

Países com bons resultados têm mais exames e sistema descentralizado

Países como China, EUA e Reino Unido, com melhores resultados do que Portugal no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), têm mais exames e uma gestão descentralizada da educação.

A China, que ocupa o primeiro lugar no relatório de 2009, tem nove anos de escolaridade obrigatória. Há dois exames por ano, no final de cada semestre. Nos exames nacionais, que dão acesso ao Ensino Superior, há três disciplinas obrigatórias: inglês, chinês e matemática.

Nos exames do final da escolaridade obrigatória e que permitem ingressar no último ciclo de três anos secundário, as disciplinas (seis) são definidas pelas comissões provinciais de educação. Em Xangai e Pequim são chinês, inglês, matemática (valem 120 pontos cada uma), física (100 pontos), química (80) e desporto (50).

Desconhecia que os governadores civis são (eram) especialistas no fogo. Quase equivalentes a 150 mil cabras.

Substituir as provas de recuperação por PIT foi substituir um asno por um jerico. Espera-se, agora, que o CDS se deixe de estratégias da treta.

De boas intenções estamos fartos. Eficácia, precisa-se, sem cedência aos sentimentos de culpabilização. Há que criar nas escolas equipas específicas para tratar destes casos e não é apenas com a boa vontade dos professores multifunções. Há que contratar assistentes sociais e os tais mediadores que a EPIS tem usado com sucesso.

Insucesso escolar. Plano para salvar alunos faltosos foi um fracasso 

PS e CDS exigiram às escolas planos individuais para resgatar os alunos que não vão às aulas. Directores dizem que a medida era bem-intencionada mas não teve qualquer efeito

(c) Maurício Brito

Um dos resistentes dos primeiros tempos, com a Ana Silva, o António Ferrão, o H5n1, a Rosa Medina, a Olinda e alguns outros (o Manyfaces está quase a voltar a aparecer) que aparecem menos mas estão por aí.

Porque os colectivos se formam por agregação de vontades e não por decreto. E porque há quem não perceba que a maioria é formada por quem nem sequer comenta. Outros, que passam por aqui como cometas, por vezes esquecem-se que são apenas um(a).

Ministro da Economia acha que “a Madeira poderá tornar-se independente”

Álvaro Santos Pereira, o novo ministro da Economia, acha que “se a Madeira quiser, um dia poderá tornar-se independente”. “Afinal, se Malta, Chipre, e até Timor-Leste conseguem ser independentes, porque é que os madeirenses não poderão sonhar com uma autonomia total de Portugal?”, questiona Santos Pereira para quem “a resposta é claramente positiva”.

Este fim de semana comprei dois livros de Álvaro Santos Pereira e gostei. Infinitamente mais claro que as elocubrações de Pinas Mouras, Bessas, Bragas de Macedo e tantos desses, especialistas do dia seguinte.

Quanto aos senhores da Madeira (jardins e ramos), deveriam mesmo ser obrigados a mostrar o que valem e não a todos se agacharem em Lisboa quando eles berram.

Cocaína já é tão comum aos 13 anos como a canábis

Os adolescentes estão a trocar os charros por drogas mais pesadas e substâncias sintéticas. Aos 13 anos, experimentar cocaína parece ser já tão comum como o uso de canábis – 1,9% dos adolescentes admitem já o ter feito. Os consumos parecem estar a mudar, sobretudo no início da adolescência, e os 15 anos são exemplo destas tendências mais recentes: o consumo de LSD duplicou e surge ao lado da heroína como drogas experimentadas por 2,9% dos jovens nesta faixa etária. Entre 2007 e este ano, o consumo de cocaína aumentou de 2,5% para 3,1%, enquanto a canábis caiu de 13,6% para 9,1%.

São dados preliminares de um novo inquérito ao consumo em meio escolar, realizado este ano e revelado ontem pelo Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT) numa conferência de imprensa que assinalou os dez anos da descriminalização do consumo de drogas em Portugal.

Página seguinte »