… cumpre-me assinalar o estranho caso do ex-autarca Daniel Campelo e a nomeação cenográfica de Cecília Meirelles (com dois elles) para o Turismo. Ao que parece, conjugada Teresa Caeiro com o MST, haveria que colocar todas as parlamentares do CDS num cargo qualquer.

O resto parecem ser pessoas com perfil tecnocrático e não político, destinadas a executar políticas com o rigor possível, mas sem grande margem de iniciativa, uma espécie de apoio técnico sólido aos ministros.

No caso da Educação, há a surpresa da SE do Ensino Básico e Secundário que tem a vantagem de não gerar anticorpos em lado nenhum, mas também não se perceber se terá alguma ideia clara (ou obscura) sobre o sector que vai tutelar. Adivinha-se um primeiro encontro interessante com as delegações de sindicalistas façanhudos prontos a intimidar, graças ao seu calo negocial.

No entanto, muita coisa passará, em primeiro lugar, pelo outro SE, já com alguma tarimba de gabinete e umas ideias curiosas de seguir.

Para o Ensino Superior, claramente alguém com perfil e competência, mas curta margem de manobra perante os reitores.

Agora… nada como aguardar as primeiras medidas… e, para o bem e o mal, todos nos recordamos das promessas deixadas no final da anterior legislatura pelo que se espera um par de sinais para os próximos dias sobre, a saber, reforma do Ensino Básico e ADD.

Anúncios