Dia 7 de Outubro de 2010. Eis o que escreveu Paulo Chitas:

Eis parte da minha reacção que mantenho e que julgo não constituir qualquer ilícito criminal, até porque demonstrei com números o que afirmei:

Extrapolando dos valores reais para os primeiros 7 meses de 2010, encontramos um valor médio adicional de 30 milhões mensais em relação a 2009. Extrapolando para o ano todo atinge-se um valor de 360 milhões, porventura um pouco mais se pensarmos que existirão mais alguns docentes a progredir nestes meses (apesar dos esforços das DRE para o evitar).

De qualquer modo, como resultado da ADD de que Paulo Chitas foi entusiasmado defensor o valor das progressões ficará bem abaixo dos tais 400 milhões de euros que, em qualquer caso, não derivam do acordo nem da generosidade de Isabel Alçada, como esta criatura com carteira de jornalista escreve.

Ou seja, esta caixa de texto é mesmo uma enorme bosta jornalística e um monumento à desonestidade intelectual que infelizmente ainda não foi devidamente avaliada por quem aceita que isto seja publicado sem verificação dos factos, sendo que o autor é useiro e vezeiro neste tipo de habilidade.

Se o dito cujo achar que estou a mentir e que ele não distorceu completamente os números, processe-me que terei todo o prazer em repetir o que aqui escrevi, cara  cara.

Pelos vistos ele aceitou o repto. Repetirei, obviamente, caso não tenha o bom senso de retirar a queixa-crime.

Embora escreva por vezes na sequência de estados d’alma, gosto de fundamentar o que afirmo. Mesmo as adjectivações.