Na página 11 do Expresso, alinham-se 12 nomes de gente ligada ao PS, PSD e CDS para possíveis lugares governamentais. Oito desses nomes são potenciais ministros das Finanças ou da Economia (um fartote de Daniel Bessa a Bagão Félix, passando por Catroga, Vitor Bento e o resto). Há um que não se percebe bem (Pires de Lima), um para ministro da Presidência (Miguel Macedo), um para a Cultura (Francisco José Viegas) e outro para a Educação e Cultura (Rui Ramos).

Nada para a Saúde, Justiça, Defesa, Negócios Estrangeiros…

Quanto à Educação, se a ideia é testar nomes, pela parte que me toca é melhor começarem com outras tentativas. Rui Ramos, sendo um nome potencial para a Cultura (mas eu acho que ele almeja algo mais vistoso, quiçá mais internacional…), seria um absoluto desastre para a Educação. Por uma razão simples: já escreveu a sua dose de disparates, em regra ideologicamente demasiado marcados por teorias aéreas, para ser sequer levado a sério. Tanto pelos negociadores profissionais como pelo pessoal ligado à terra. Portanto, façam o favor de passar aos nomes seguintes…