Faz-me alguma impressão que certas pessoas aceitem dar a cara por um projecto quando ainda não sabem qual é o programa que lhe servirá de base, em particular na sua área de actividade. A menos que tenham garantias de participar na sua elaboração. Imaginemos um advogado que aceite ser candidato a deputado e depois seja confrontado com um programa para a Justiça com o qual discorda? Ou um gestor a quem aconteça o mesmo em matéria de Economia…